Opinião

O Vale Escondido

O Vale Escondido é também chamado de joia no deserto. Fica em Sapir, lugarejo que pertence à Arava, sul de Israel. A localidade tem uma população de mais de 3.000 habitantes (alguns dizem que é maior: 5.000). Além de muito deserto e, muita areia, tem esse vale que foi formado pelas raras chuvas, preservado com o mesmo amor de um(a) pai(mãe) para um filho. Há quem diga que foi por lá que o rei Salomão instalou minas à procura de metais preciosos. 

Agências de viagens do mundo inteiro têm programas para conhecer Sapir e Arava, com tours voltados para a natureza, visitas a fazendas de crocodilos, a um rancho onde a Arca de Noé foi deixada, passeios de camelos etc. Não estou recomendando porque, aqui na nossa região temos passeios e vales tão ou mais interessantes. Só para exemplificar, o nativo gosta de frio e vai para Campos do Jordão, pagando uma fábula por hospedagem e alimentação. Há uma cidade em PE, Triunfo, cerca de 400km da capital, que também oferece um frio de lascar e preços menores que os da cidade paulista. Na Bahia, temos Piatã, na Chapada Diamantina, a 530 km da capital, a cidade mais fria do NE. Nos dias frios e com ventos fortes, a temperatura pode chegar a 8°C, com sensação térmica entre -1° e -2°.

Voltando ao outro vale, não conheço o local. Vi no filme Joelho de Ahed, do diretor israelense Nadav Lapid, e fui pesquisar a região e a história pela Internet. O filme, para mim, é fascinante e mostra de forma realista a importância da educação de um povo que vive numa região com diversos fatores adversos. O ponto principal é a educação, utilizada de forma objetiva e eficiente, como forma de preparar as pessoas para criar alternativas de sobrevivência para as gerações atual e futura. Vi e revi o filme, observando com atenção as cenas da cidade: sem lixo na rua ou mendigos e, muito provavelmente, não há trombadinhas nem turmas armadas e que estão mais aparelhadas que o Estado.

Com a minha incurável mania, fiz comparação entre esses lugarejos e municípios nordestinos em torno de 5.000 habitantes. Há pouco o que comparar. Conheço alguns e o que pude ver (em todos), no nosso caso, foi uma quantidade enorme de pessoas dependentes do INSS, do bolsa-família e de outros “auxílios”; muita gente sem fazer nada: sentada olhando o tempo, conversando ou jogando (carta, dominó, sinuca). Num deles, as cenas foram praticamente as mesmas de 20 anos atrás. Se não houver um giro de 360°, o cenário será o mesmo daqui a 20 anos; os atores e coadjuvantes serão outros. A trilha sonora será mantida: a cantiga da perua (1).

(1) “É de pió a pió...” - Jackson do Pandeiro e Elias Soares


 

*Executivo do segmento shopping centers


- Os artigos publicados nesta seção não refletem necessariamente a opinião do jornal. Os textos para este espaço devem ser enviados para o e-mail [email protected] e passam por uma curadoria para possível publicação.

 

Veja também

Vacinação de crianças com 3 anos movimenta postos de imunização no Recife deste domingo (14)
Recife

Vacinação de crianças com 3 anos movimenta postos de imunização no Recife deste domingo (14)

Homem de 33 anos é morto a tiros em Itapissuma; suspeito do crime é guarda municipal
Região Metropolitana do Recife

Homem de 33 anos é morto a tiros em Itapissuma; suspeito do crime é guarda municipal