Obras

Obra viária ainda não concluída no Cabo atrapalha funcionamento da UFRPE e IFPE, diz reitor

Via na PE-33 dificulta obras de construção do novo campus da UFRPE e impossibilita acesso ao prédio do IFPE

O trecho é considerado um elo principal de conexão entre a PE-60 e a BR-101O trecho é considerado um elo principal de conexão entre a PE-60 e a BR-101 - Foto: UFRPE

O atraso na conclusão das obras da rodovia PE-33, no Cabo de Santo Agostinho, Região Metropolitana do Recife, atinge os campi da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) no município. O trecho, fundamental para as duas instituições, permanece sem conclusão desde março de 2018, quando foi paralisada quatro meses após o início de sua execução. 

Por conta do problema, a Unidade Acadêmica do Cabo de Santo Agostinho (UACSA) da UFRPE precisou suspender as obras responsáveis pelo novo campus, que está com 65% das intervenções concluídas. Já o campus do IFPE está pronto para ser inaugurado, porém, com a ausência da rodovia, não há a possibilidade de acesso ao prédio. 

O trecho é considerado um elo principal de conexão entre a PE-60 e a BR-101. Sendo a PE-60 uma importante rota de acesso às praias do Litoral Sul do estado, enquanto a BR-101 é uma das principais rodovias federais que cortam a malha rodoviária de Pernambuco. A PE-33 tem 8,7 quilômetros de extensão e custo de R$ 32,7 milhões.

“Já era para a gente ter terminado a obra e acabar o aluguel, ou seja, já estamos atrasados porque hoje não temos condições de nenhuma empresa movimentar os seus equipamentos. A via hoje está toda esburacada quando chove, gerando atraso. Hoje já poderíamos ter finalizado a obra e estar no campus definitivo”, explica o reitor da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Marcelo Carneiro Leão.

A obra do campus da UFRPE no Cabo de Santo Agostinho tem um custo total de R$ 250 milhões. Desse total, já foram investidos aproximadamente R$108 milhões. Sem a estrutura para funcionar, a UFRPE gasta cerca de R$ 200 mil por mês com o aluguel de um empresarial onde mais de três mil alunos estudam de forma improvisada nos cursos de engenharia mecânica, civil, eletrônica, eletrotécnica e de produção. Quando estiver em pleno funcionamento, a sede definitiva da UACSA poderá abrigar mais de 20 mil alunos.

“Tem impactado financeiramente, impactado nas condições de estudo dos próprios alunos, porque lá é o campus definitivo com biblioteca, restaurante universitário, que hoje a gente não tem, pois esse empresarial é uma coisa provisória. Então é um impacto grande em todas as questões acadêmicas”, complementa o reitor. 
 
Já no caso do IFPE, as obras no Instituto foram finalizadas. Mas sem a conclusão da rodovia, os estudantes não têm como chegar até o local. A instituição investiu R$ 35 milhões para atender 600 estudantes de ensino técnico e superior. Sem poder ter acesso à nova sede, os estudantes hoje ocupam parte das instalações da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas do Cabo de Santo Agostinho (Fachuca).

Procurado pela reportagem da Folha de Pernambuco, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), órgão responsável pela intervenção na rodovia estadual, disse em nota que “está atuando na captação de recursos para iniciar as obras de implantação e pavimentação da PE-33, no Cabo de Santo Agostinho, no trecho que dá acesso às universidades. O investimento previsto para essa intervenção é de R$ 11 milhões. A iniciativa está entre prioridades levadas pelo Governo de Pernambuco à bancada estadual, esta semana em Brasília, para liberação de emenda parlamentar. Esta obra teve início em novembro de 2017. Entretanto, os serviços foram paralisados em março de 2018", finalizou.

Veja também

Chuvas melhoram abastecimento e 120 mil recifenses serão retirados do rodízio a partir desta segunda
Recife

Chuvas melhoram abastecimento e 120 mil recifenses serão retirados do rodízio a partir desta segunda

Lei estabelece suporte para identificar violência contra crianças e adolescentes
Blog da Folha

Lei estabelece suporte para identificar violência contra crianças e adolescentes