A-A+

OMS: novo coronavírus é 'ameaça muito grave' para o mundo

Durante dois dias, cerca de 400 cientistas avaliarão vários meios para combater a epidemia

CoronavírusCoronavírus - Foto: CRÉDITOJU PENG / XINHUA / AFP

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, advertiu nesta terça-feira (11) que o novo coronavírus representa uma "ameaça muito grave" para o mundo, ao inaugurar uma conferência de combate à epidemia.

"Com 99% dos casos na China, (a epidemia) continua constituindo uma verdadeira emergência para este país, mas também é uma ameaça muito grave para o resto do mundo", afirmou Adhanom Ghebreyesus em Genebra.

Leia também:
OMS: próximas semanas serão cruciais no combate ao coronavírus
China registra mais de 1.000 mortes pelo novo coronavírus
Brasil investiga sete casos suspeitos do novo coronavírus

Durante dois dias, cerca de 400 cientistas avaliarão vários meios para combater a epidemia, concentrando-se, principalmente, em sua transmissão e possíveis tratamentos.

"O que importa agora é deter essa epidemia e salvar vidas. Podemos alcançar isso juntos, com seu apoio", afirmou o responsável aos participantes.

O chefe da OMS pediu a todos os países que mostrem sua "solidariedade", compartilhando as informações de que dispõem. "Isso é particularmente importante em termos de amostras e da sequência do vírus. Para derrotar essa epidemia, precisamos compartilhar as informações", insistiu.

Tedros Adhanom Ghebreyesus disse que espera que esta reunião produza uma agenda de pesquisa que ajude pesquisadores e doadores. Mais de 42.600 pessoas já foram contaminadas por esse vírus na China continental e pelo menos 1.016 delas morreram.

Fora da China continental, dois pacientes morreram - um, nas Filipinas, e o outro, em Hong Kong. Além disso, existem mais de 400 casos confirmados de infecção em cerca de 30 países e territórios.

Veja também

Movimentação intensa nas praias da RMR neste domingo (24)
Sol

Movimentação intensa nas praias da RMR neste domingo (24)

China quer limitar a menos de 20% uso de energias fósseis até 2060
Mundo

China quer limitar a menos de 20% uso de energias fósseis até 2060