OMS

OMS pede destruição de patógenos perigosos na Ucrânia

A organização se recusou a oferecer uma lista de centros de pesquisa na Ucrânia nem indicou seu nível de segurança

OMS está monitorando o surgimento de uma nova variante do coronavírus, a DeltacronOMS está monitorando o surgimento de uma nova variante do coronavírus, a Deltacron - Foto: FABRICE COFFRINI / AFP

A Organização Mundial da Saúde (OMS) instou "fortemente" a Ucrânia a se livrar de possíveis "patógenos muito perigosos" em seus laboratórios para evitar qualquer risco de contágio entre a população, devido à guerra que afeta uma parte do país

A OMS "recomendou fortemente ao Ministério da Saúde da Ucrânia e outras agências responsáveis que destruam patógenos altamente perigosos para evitar sua propagação por acidente", disse a agência da ONU nesta sexta-feira (11). 

Consciente da preocupação que esta recomendação - revelada pela agência Reuters - pode criar após as ameaças às usinas nucleares, a organização a colocou no contexto mais amplo de sua cooperação de longa data com as autoridades ucranianas para melhorar a segurança nessas instalações. 

A OMS, em suas recomendações gerais sobre segurança laboratorial, "sempre insiste em uma abordagem baseada na avaliação de risco", disse Tarik Jasarevic, porta-voz da instituição internacional que zela pela saúde mundial, em entrevista coletiva em Genebra.

“Os laboratórios devem sempre levar em consideração a situação em que se encontram e garantir que, em caso de ameaça, haja uma maneira de eliminar com segurança os patógenos normalmente presentes em todos os países por motivos de saúde pública e, assim, evitar um vazamento acidental”, disse Jasarevic. 

Questionada pela AFP, a OMS se recusou a oferecer uma lista de centros de pesquisa na Ucrânia nem indicou seu nível de segurança, nem os germes a que se refere. 

Jasarevic também não disse se um laboratório afetado por essas recomendações estava localizado em uma das áreas bombardeadas e ocupadas pelos militares russos.

Veja também

Com tendência conservadora, a Suprema Corte divide os americanos
Estados Unidos

Com tendência conservadora, a Suprema Corte divide os americanos

Vacinas salvaram 20 milhões de vidas em um ano, aponta novo estudo
Coronavírus

Vacinas salvaram 20 milhões de vidas em um ano, diz estudo