SAÚDE

OMS pede resposta urgente da Europa ao aumento de casos de varíola do macaco

A Europa contabiliza cerca de 4.500 casos de varíola do macaco, três vezes mais do que em meados de junho

Varíola dos macacosVaríola dos macacos - Foto: Gerd Altmann /Pixabay

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu nesta sexta-feira (1º) a adoção de medidas "urgentes" para conter a propagação da varíola do macaco na Europa, onde os casos triplicaram nas últimas duas semanas.

"É imperativa uma ação urgente e coordenada" nos próximos meses para evitar que a doença se espalhe "em áreas geográficas maiores", alertou o diretor regional da OMS para a Europa, Hans Henri Kluge, em comunicado. 

De acordo com os dados mais recentes da agência da ONU, a Europa contabiliza cerca de 4.500 casos de varíola do macaco, três vezes mais do que em meados de junho.

Esse número corresponde a 90% dos registrados mundialmente desde meados de maio, quando a doença, até então considerada endêmica apenas em cerca de dez países africanos, começou a ser notificada na Europa.

Até agora, 31 países europeus registraram casos. 
 

A varíola do macaco, ou ortopoxvírus símio, foi identificada em humanos em 1970 e é considerada menos perigosa que a varíola, da mesma família, erradicada em 1980.

No sábado (25), o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que o surto de varíola do macaco era uma ameaça à saúde muito preocupante, mas que no momento não representava uma emergência global de saúde pública.

Os sintomas da doença incluem febre, dor de cabeça, linfonodos inchados, dores musculares e falta de energia.

As erupções aparecem então no rosto, nas palmas das mãos e nas solas dos pés; lesões, pústulas e, finalmente, crostas. Geralmente a doença se cura em cerca de três semanas.

Veja também

Julho registra temperatura média mais alta da história
Calor

Julho registra temperatura média mais alta da história

Bando de videntes atua há mais de 20 anos e tem histórico de investigações
Rio de Janeiro

Bando de videntes atua há mais de 20 anos e tem histórico de investigações