A-A+

OMS vê chance realista de parar novo coronavírus, o 'COVID-19'

Cerca de 400 cientistas de todo mundo iniciaram uma reunião de dois dias nesta terça-feira (11) para intensificar a luta contra a doença

CoronavírusCoronavírus - Foto: CRÉDITOJU PENG / XINHUA / AFP

A OMS estimou nesta terça-feira (11) que há uma "chance realista de parar" a disseminação no mundo do novo coronavírus, a partir de agora oficialmente chamado "COVID-19".

"Se investirmos agora (...), temos uma chance realista de interromper esta epidemia", disse o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante uma conferência de imprensa em Genebra.

Ele também anunciou que, de agora em diante, o novo coronavírus será chamado de COVID-19, que substituirá o nome provisório estabelecido anteriormente "2019-nCoV".

O novo nome foi escolhido por ser "fácil de pronunciar", mas sem referência "estigmatizante" a um país, ou população, em particular, disse.

Ele explicou que "CO" significa corona, "VI" é vírus, e que "D" foi escolhido por "doença". O número 19 indica o ano de sua aparição (2019).A transcrição oficial da OMS coloca todas as letras maiúsculas.

Leia também:
OMS: novo coronavírus é 'ameaça muito grave' para o mundo
Alimentado por desconhecimento, temor de coronavírus repete histórico de epidemias


Cerca de 400 cientistas de todo mundo iniciaram uma reunião de dois dias nesta terça-feira para intensificar a luta contra a doença.

Na abertura da conferência, Tedros descreveu a epidemia como "uma ameaça muito séria" para o mundo, exortando países e cientistas a intensificar os esforços e a coordenação para superá-la.

Ele também observou que "os vírus pode ter consequências mais poderosas do que qualquer ato terrorista".

Mais de 42.600 pessoas foram infectadas na China continental e pelo menos 1.016 delas morreram.

Fora da China continental, o vírus matou duas pessoas (uma nas Filipinas e uma em Hong Kong) e mais de 400 casos foram confirmados em cerca de 30 países e territórios.

O chefe da OMS também expressou o medo de ver a epidemia se espalhar para países com meios de saúde frágeis. "Se o vírus entrar em um sistema de saúde mais fraco, pode causar caos", disse ele.

Veja também

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI
CNI

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar
Direitos Humanos

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar