ONG alerta sobre mortes de jornalistas por Covid-19

O Equador foi o país mais afetado, com pelo menos nove jornalistas mortos; Brasil também integra a lista

JornaisJornais - Foto: brotiN biswaS/Pexels

Várias dezenas de jornalistas morreram de coronavírus em todo o mundo nos últimos dois meses, informou nesta sexta-feira (1) a ONG Press Emblem Campaign (PEC), lamentando o fato de os repórteres, às vezes, não disporem de equipamentos de proteção adequados para cobrir a pandemia.

Nas vésperas do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, que é comemorado em 3 de maio, a organização estima que "a maioria das medidas de proteção adotadas pelos meios de comunicação costumam ser insuficientes e, desde 1º de março, pelo menos 55 jornalistas em 23 países morreram". A organização considera, no entanto, que não é possível estabelecer que todas as mortes estejam relacionadas ao exercício da profissão.




Leia também:

'Não estão com medo do coronavírus?', pergunta Bolsonaro aos jornalistas

Bolsonaro se queixa da imprensa e faz gesto de banana para jornalistas

Papa Francisco agradece o trabalho da imprensa

"Os jornalistas correm um grande risco no meio desta crise de saúde, porque precisam continuar reportando, indo a hospitais, entrevistando médicos, enfermeiros, líderes políticos, especialistas, cientistas e pacientes", afirmou a organização em comunicado.

"Em vários países, as medidas de proteção indispensáveis (distanciamento, uso de máscaras, medidas de higiene ou quarentena) não são aplicadas", acrescentou.
Dos 55 repórteres falecidos contabilizados pelo PEC, o Equador foi o país mais afetado, com pelo menos nove jornalistas mortos por coronavírus, seguido por Estados Unidos (8), Brasil (4), Reino Unido (3) e Espanha (3).

Ao mesmo tempo, o PEC "condena as numerosas violações da liberdade de imprensa que ocorreram em vários países desde o início da pandemia". Cita, entre outros, "censura", "detenções arbitrárias de jornalistas, ataques físicos e verbais e leis de emergência que restringem a liberdade de imprensa".

"Os jornalistas devem poder informar livremente sobre o progresso da disseminação da doença em todo o mundo, uma medida essencial para detê-la. A transparência é essencial e pode salvar vidas no caso de uma crise de saúde como a que atualmente afeta o mundo", enfatiza a organização.

Veja também

Variante Delta: o perigo de uma terceira onda
Coronavírus

Variante Delta: o perigo de uma terceira onda

Orquestra Criança Cidadã celebra 15 anos de revolução musical

Orquestra Criança Cidadã celebra 15 anos de revolução musical