A-A+

Educar para Proteger

ONG promove semana de debates sobre combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes

A programação se propõe a discutir o tema com crianças, adolescentes, educadores, especialistas e famílias

Imagem ilustrativaImagem ilustrativa - Foto: Divulgação

A ONG Giral - Desenvolvimento Humano e Local promove, desta segunda-feira (17) a sexta-feira (21), uma semana de programação para marcar o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes, lembrado nesta terça-feira (18).

A programação se propõe a discutir o tema com crianças, adolescentes, educadores, especialistas e famílias.

“A gente acredita, de verdade, que a educação é a melhor forma de proteger crianças e adolescentes da violência. Se sabem quais são seus direitos, inclusive sobre seus corpos, terão como identificar caso sofram algum abuso, por exemplo, e saberão que podem e devem buscar ajuda. Durante todo o mês de maio, nossas redes sociais estarão focadas em disseminar orientações sobre esse tema, com vídeos, textos e posts educativos.”, diz o presidente da Giral, Leonildo Moura.  

O 18 de maio relembra o dia do assassinato da menina Araceli Crespo, em 1973, em Vitória (ES). Araceli foi brutalmente morta aos 8 anos de idade e o crime segue, até hoje, sem pena aos envolvidos. 

Programação | Tema: Abuso virtual 

17/5: Abertura da 3° edição do Educar para Proteger, com debates e apresentação do espetáculo “Marcas”, da cia de dança formada por educandos da Giral

18 e 20/5: Palestras para formação e orientação familiar sobre abuso e exploração sexual infantil

19/5: Live com especialistas das áreas jurídicas e digital 

21/5: Live com a Rede Municipal de Proteção à Infância

Os encontros serão transmitidos no perfil do Instagram e canal do YouTube da Giral.

Rede de proteção 
A Giral lidera, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, a criação e fortalecimento da Rede de Proteção à Infância e à Adolescência, iniciativa que agrega pelo menos cinco municípios da região. 

Por dois anos, a Giral fez um mapeamento para identificar como está estruturada a rede de assistência social voltada a crianças e adolescentes do município de Glória do Goitá e vizinhos.

O levantamento apontou lacunas preocupantes, especialmente com relação a casos de abuso e exploração sexual. Assim foram formadas as diretrizes da Rede, que vai contemplar 53 instituições da região de municípios das Zonas da Mata Sul e Norte e Agreste de Pernambuco.  

A criação da rede foi orientada pela professora doutora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Valéria Nepomuceno, uma das referências no estado no enfrentamento ao abuso e à exploração sexual infantil e coordenadora do Grupo de Estudos, Pesquisas e Extensões no Campo da Criança e do Adolescente (GECRIA/UFPE).  

Segundo o levantamento, a vulnerabilidade de crianças e adolescentes em municípios menos assistidos é maior e vem ao lado das dificuldades de denunciar casos de violência. ONGs, escolas e outras instituições compõem a rede juntamente com CRAS, CREAS e Conselhos Tutelares. Adolescentes entre 12 e 17 anos estão na faixa etária mais preocupante. 

Em torno de 70% das instituições participantes declararam que têm conhecimento de casos de violência sexual contra crianças e adolescentes. Moura ressalta que não é função dessas organizações receber casos ou suspeitas, competência que cabe aos Conselhos Tutelares, mas destaca que a ação em conjunto será mais eficaz: o trabalho em rede.  

Números
Com relação aos casos de violência e abuso sexual contra crianças e adolescentes, o mapeamento feito pela Giral indica que 42% chegam ao conhecimento das instituições através de “comentários ou boatos”, relatados por vizinhos ou parentes. 

As notificações de casos também chegam através das próprias crianças ou adolescentes (5%), professores (5%), denúncias anônimas (3%) ou colegas (3%). Dentre os casos conhecidos, 49% são denunciados; a maioria (33%) ao Conselho Tutelar do município. 

Dentre as instituições pesquisadas, 75% são governamentais e 25% não governamentais. De forma geral, o retrato das instituições mapeadas, em sua maioria, é a seguinte: 70% das instituições atuam na área da educação e atendem crianças (40%). Em geral, apoiam capacitação e atuam simultaneamente em áreas urbanas e rurais da região. 

Veja também

Aos 83 anos, morre o arquiteto Ruy Ohtake, filho da artista Tomie Ohtake
Luto

Aos 83 anos, morre o arquiteto Ruy Ohtake, filho da artista Tomie Ohtake

Ensino a distância conquista adeptos e aumenta após fim de restrições
Educação

Ensino a distância conquista adeptos e aumenta após fim de restrições