Ônibus passam a circular com cartazes contra a LGBTfobia

Durante os próximos 15 dias toda a frota de ônibus da Região Metropolitana do Recife deverá rodar com cartazes contra a LGBTfobia

Casal LGBTCasal LGBT - Foto: Arthur Mota / Folha de Pernambuco

Durante os próximos 15 dias toda a frota de ônibus da Região Metropolitana do Recife deverá rodar com cartazes contra a LGBTfobia. Ao todo, 2.870 cartazes foram entregues pela Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH) ao Consórcio Grande Recife de Transportes.

A campanha tem como objetivo sensibilizar as pessoas sobre o respeito às diferenças e estimular a denúncia de agressões à população LGBTI+. A ação acontece em sintonia com a agenda do movimento em Pernambuco, que organiza pelo menos dez paradas no Estado nos próximos dias.

Até esta terça-feira (10), apenas linhas operadas pela empresa Transcol contavam com o material. “A operação acontece quando os coletivos voltam para a garagem das empresas e leva, em média, de dois a três dias para ser finalizada”, explicou o gerente de marketing do Grande Recife, Leandro Porto.

Leia também:
PCR lança plataforma para denúncia de LGBTfobia
Governo cria pacto nacional contra a LGBTfobia

Coincidentemente, a ação foi deflagrada três dias após um motorista de ônibus da cidade de São Paulo agredir um passageiro, após a vítima beijar um rapaz que o acompanhava no trajeto. Em Pernambuco, de acordo com a SJDH, de janeiro a julho deste ano, foram registradas 24 denúncias de agressões contra LGBTI+.

“Os números ainda são tímidos, pois muitas pessoas não se sentem seguras em denunciar. Mas, mesmo timidamente, estamos conseguindo avançar nas políticas públicas”, destacou a coordenadora do Centro Estadual de Combate à Homofobia (CECH), Suelen Rodrigues. À frente da campanha, o Centro aponta que o maior desafio para o enfrentamento à LGBTfobia é a disseminação da mensagem de tolerância.

Para a Articulação e Movimento para Travestis e Transexuais (AmoTrans), a iniciativa é feliz por atingir as diversas camadas sociais que acessam ao modal. “As pessoas precisam saber que podem responder criminalmente pela injúria”, observou a presidente da AmoTrans, Chopelly Glaudystton. “No futuro pode ser realizado, ainda, um trabalho sobre a identidade de gênero. Muita gente acaba cometendo preconceito por desconhecer a pauta em meio a essa confusão sobre ‘ideologia de gênero’, o que nunca existiu”, concluiu.

Veja também

Trump diz que homens podem se sentir 'insultados' se Biden optar por uma mulher como vice
EUA

Trump diz que homens podem se sentir 'insultados' se Biden optar por uma mulher como vice

Recife desativa maior hospital de campanha da Covid-19
Coronavírus

Recife desativa maior hospital de campanha da Covid-19