Racismo

ONU Brasil diz que assassinato de Beto Freitas evidencia racismo no país

Vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, não viu racismo na ação

Protesto em frente do Carrefour, em Porto AlegreProtesto em frente do Carrefour, em Porto Alegre - Foto: Silvio Avila/AFP

A Organização das Nações Unidas (ONU) no Brasil divulgou uma nota pública em que contradiz a negação da existência de racismo no Brasil feita pelo vice-presidente Hamilton Mourão após o assassinato de Beto Freitas por seguranças do Carrefour em Porto Alegre.
 
A nota começa com uma manifestação de solidariedade à família da vítima e, em seguida, aponta que a morte de Freitas "é um ato que evidencia as diversas dimensões do racismo e as desigualdades encontradas na estrutura social brasileira".
 
A publicação segue dizendo que "milhões de negras e negros continuam a ser vítimas de racismo, discriminação racial e intolerância, incluindo suas formas mais cruéis e violentas". A organização também afirma que o debate sobre a eliminação do racismo é "urgente e necessário".
 
No Dia da Consciência Negra, Mourão lamentou a morte de Freitas, mas não viu racismo na ação e negou a existência de racismo no Brasil, atribuindo o caso ao despreparo dos seguranças.
 
Neste sábado, o presidente Jair Bolsonaro contestou, durante a cúpula do G20, o debate sobre racismo no país dizendo que há quem queira alimentar o conflito e o ódio entre a população. Ele não comentou especificamente sobre o assassinato de Beto Freitas.
 
"O Brasil tem uma cultura diversa, única entre as nações. Somos um povo miscigenado", afirmou Bolsonaro. "Foi a essência desse povo que conquistou a simpatia do mundo. Contudo, há quem queira destruí-la, e colocar em seu lugar o conflito, o ressentimento, o ódio e a divisão entre raças, sempre mascarados de 'luta por igualdade' ou 'justiça social'. Tudo em busca de poder", disse.
 
Ao final da nota, a ONU "insta as autoridades brasileiras a garantirem a plena e célere investigação do caso e clama por punição adequada aos responsáveis, por reparação integral a familiares da vítima e pela adoção de medidas que previnam que situações semelhantes se repitam.


Leia a íntegra da nota da ONU:
A ONU Brasil manifesta solidariedade à família de João Alberto Silveira Freitas, que foi brutalmente agredido na noite de 19 de novembro de 2020 e veio a óbito em seguida, na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul.
 
A violenta morte de João, às vésperas da data em que se comemora o Dia da Consciência Negra no Brasil, é um ato que evidencia as diversas dimensões do racismo e as desigualdades encontradas na estrutura social brasileira. Milhões de negras e negros continuam a ser vítimas de racismo, discriminação racial e intolerância, incluindo as suas formas mais cruéis e violentas. Dados oficiais apontam que a cada 100 homicídios no país, 75 são de pessoas negras. O debate sobre a eliminação do racismo e da discriminação racial é, portanto, urgente e necessário, envolvendo todas e todos os agentes da sociedade, inclusive o setor privado.
 
A proibição da discriminação racial está consagrada em todos os principais instrumentos internacionais de direitos humanos e também na legislação brasileira. A ONU Brasil insta as autoridades brasileiras a garantirem a plena e célere investigação do caso e clama por punição adequada dos responsáveis, por reparação integral a familiares da vítima e pela adoção de medidas que previnam que situações semelhantes se repitam. Convida também toda a sociedade brasileira, a partir da Campanha Vidas Negras, a participar ativamente da construção de uma sociedade igualitária e livre do racismo.
 
Vidas negras importam e não podem ser deixadas para trás.

 

 

Veja também

ONU condena 'racismo estrutural' no Brasil após assassinato de João Alberto
Racismo

ONU condena 'racismo estrutural' no Brasil após assassinato de João Alberto

Cisam, na Encruzilhada, ganhará centro de parto normal
Maternidade

Cisam, na Encruzilhada, ganhará centro de parto normal