Conflito

ONU deseja 'mais tréguas humanitárias' entre Rússia e Ucrânia

Ônibus aguardam para retirada de civis próximo ao abrigo de Azovstal, no leste da UcrâniaÔnibus aguardam para retirada de civis próximo ao abrigo de Azovstal, no leste da Ucrânia - Foto: Ministério da Defesa da Rússia/Divulgação

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, expressou nesta terça-feira (3) seu desejo de que "mais tréguas humanitárias" possam ser organizadas entre Ucrânia e Rússia, seguindo o modelo que permitiu a evacuação de uma centena de civis da siderúrgica de Azovstal, leste da Ucrânia.

"Espero que a coordenação contínua com Kiev e Moscou leve a mais tréguas humanitárias, que irão permitir aos civis se afastar com segurança dos combates e que a ajuda chegue às pessoas que mais necessitam", disse Guterres em comunicado, sem revelar a sua localização.

Durante uma videoconferência com jornalistas na sede da ONU, em Nova York, o coordenador humanitário das Nações Unidas para a Ucrânia, Osnat Lubrani, também se manifestou a favor da repetição da operação organizada no último fim de semana na cidade devastada de Mariupol.

Na siderúrgica de Azovstal - último reduto da resistência ucraniana nesse local - "ainda há civis presos, alguns deles podem ter tido medo de sair, ou, provavelmente, não puderam sair", disse Lubrani, sem especificar o número .

"É necessário um compromisso adicional e um compromisso contínuo entre as partes, com o apoio das Nações Unidas e da Cruz Vermelha Internacional, para continuar buscando e planejando outras operações como essa, para salvar vidas", acrescentou o funcionário, referindo-se ao conflito na Ucrânia, desencadeado após a invasão russa em 24 de fevereiro.

Veja também

Equador reduz tarifas de combustível após fim de protestos indígenas"
Mundo

Equador reduz tarifas de combustível após fim de protestos indígenas"

Servidor que acusou perseguição de Ibama após caso das girafas importadas recupera cargo na justiça
Rio de Janeiro

Servidor que acusou perseguição de Ibama após caso das girafas importadas recupera cargo na justiça