Internacional

ONU pede 'corredores seguros' para levar ajuda às zonas de combate da Ucrânia

Conselho de Segurança da ONU se reuniu nesta segunda-feira (7) para avaliar a crise humanitária da Ucrânia

Membros do Conselho de Segurança da ONU discutem a crise humanitária da Ucrânia Membros do Conselho de Segurança da ONU discutem a crise humanitária da Ucrânia  - Foto: Michael M. Santiago / Getty Images North America/ Getty Images via AFP

A ONU "precisa de corredores seguros para levar ajuda humanitária a áreas de hostilidades" na Ucrânia, declarou o subsecretário-geral para Assuntos Humanitários da entidade, Martin Griffiths, ao Conselho de Segurança, nesta segunda-feira (7).

"Civis em lugares como Mariupol, Kharkiv, Melitopol e outras cidades precisam desesperadamente de ajuda, em particular de suprimentos médicos vitais", acrescentou Griffiths durante uma reunião de emergência do Conselho, dedicada à crise humanitária causada pela invasão russa da Ucrânia.

"Várias maneiras são possíveis, mas isso deve ser feito em conformidade com as obrigações das partes sob as leis da guerra", lembrou o funcionário da ONU.

As partes "devem garantir permanentemente que civis, residências e infraestrutura sejam poupados em suas operações militares", continuou.

"Isso inclui permitir a passagem segura de civis para deixar voluntariamente áreas de hostilidades ativas, em qualquer direção que escolherem", insistiu Griffiths, referindo-se aos corredores humanitários planejados de Moscou que levam apenas à Rússia ou Belarus.

"Todos os civis, quer fiquem ou partam, devem ser respeitados e protegidos", declarou Griffiths, lamentando "um conflito inútil".

Ainda segundo seu subsecretário-geral para Assuntos Humanitários, a ONU também precisa urgentemente de um sistema de comunicação constante com as partes em conflito e garantias para permitir que a ajuda humanitária seja entregue.

As Nações Unidas lançaram uma pequena missão em Moscou que teve uma "primeira reunião técnica" no Ministério da Defesa russo. O objetivo é "trabalhar em uma melhor coordenação humanitária civil-militar que possa nos permitir intensificar" as operações da ONU, disse Griffiths.

De acordo com um alto funcionário da ONU que pediu anonimato, o objetivo é evitar qualquer "excesso" e que os comboios humanitários não sejam alvo de ataques russos.

Até agora, a ONU não está envolvida na criação de corredores humanitários, que são objeto de negociações entre Rússia e Ucrânia, para permitir que civis fujam em segurança dos combates, disse o porta-voz da entidade, Stéphane Dujarric, nesta segunda-feira.

Veja também

Paciente de 60 anos testa positivo para Covid-19 há 471 dias; entenda
SAÚDE

Paciente de 60 anos testa positivo para Covid-19 há 471 dias; entenda

Mortes maternas no Brasil são 49,6% maiores que o número oficial, diz estudo
Brasil

Mortes maternas no Brasil são 49,6% maiores que o número oficial, diz estudo