preconceito de gênero

ONU: preconceitos contra as mulheres persistem

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento "não houve progresso a respeito do preconceito contra as mulheres em uma década"

Quase metade da população acredita que os homens têm mais direito a um emprego e 43% afirmam que os homens são melhores líderes empresariaisQuase metade da população acredita que os homens têm mais direito a um emprego e 43% afirmam que os homens são melhores líderes empresariais - Foto: Pexels

Os preconceitos sexistas "arraigados" nas sociedades não diminuíram nos últimos 10 anos, apesar das campanhas a favor dos direitos das mulheres como o "MeToo", afirma um relatório divulgado pela ONU.

Entre homens e mulheres, "normas sociais de gênero preconceituosas prevalecem em todo o mundo: quase 90% das pessoas afirmam ter pelo menos um preconceito" de sete analisados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Os "preconceitos estão muito propagados, tanto entre os homens como entre as mulheres, o que sugere que estão profundamente arraigados e influenciam homens e mulheres em níveis similares", afirma o documento.

O PNUD atualizou o Índice de Normas Sociais de Gênero (GSNI), que leva em consideração as dimensões políticas, econômicas, educacionais e de integridade física, com dados da Avaliação de Valores Mundiais, um projeto internacional que estuda como os valores e as crenças são diferentes ao redor do mundo.

O índice mostra que "não houve progresso a respeito do preconceito contra as mulheres em uma década", segundo o PNUD, "apesar das grandes campanhas globais e locais pelos direitos das mulheres", como o 'MeToo'.

Por exemplo, 69% da população mundial acredita que os homens são melhores líderes políticos que as mulheres. E apenas 27% dos entrevistados acreditam que é essencial para a democracia que as mulheres tenham os mesmos direitos que os homens.

Quase metade da população (46%) acredita que os homens têm mais direito a um emprego e 43% afirmam que os homens são melhores líderes empresariais.

O relatório mostra ainda que 25% da população considera justificável a agressão de um homem contra a esposa e 28% considera que a universidade é mais importante para os homens.

"As normas sociais que afetam os direitos das mulheres são prejudiciais para a sociedade em seu conjunto, que impede a expansão do desenvolvimento humano", afirmou em um comunicado Pedro Conceição, coordenador do Relatório de de Desenvolvimento Humano do PNUD.

"Todos ganham quando a liberdade e o poder das mulheres são garantidos", acrescentou.

Veja também

Cachorro mais alto do mundo é reconhecido pelo "Guinness"; veja altura e imagens
FOLHA PET

Cachorro mais alto do mundo é reconhecido pelo "Guinness"; veja altura e imagens

Deslizamento de terra deixa seis mortos em zona turística do Equador
Tragédia

Deslizamento de terra deixa seis mortos em zona turística do Equador

Newsletter