Mundo

ONU vota proposta que obriga justificativa do recurso ao veto

A medida, que afeta diretamente China, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha e Rússia, os cinco países com direito a veto

ONUONU - Foto: Reprodução / Twitter / ONU

Os 193 países da Assembleia Geral da ONU devem votar nesta terça-feira (26) uma resolução que obriga os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança a justificar o recurso do veto, uma reforma que foi retomada após a invasão da Rússia à Ucrânia.

A medida, que afeta diretamente China, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha e Rússia, os cinco países com direito a veto, foi promovida por Liechtenstein, para "fazer com que paguem um preço político mais elevado" quando decidirem recorrer ao veto, disse uma fonte diplomática que pediu anonimato.

Mas esta é uma "simples reforma de procedimento", apontam os críticos da iniciativa. Contribuirá para que os cinco membros permanentes do Conselho recorram menos a esta prerrogativa contestada por cada vez mais países?

Proposta pela primeira vez há dois anis e meio, a reforma prevê a convocação da Assembleia Geral "nos 10 dias úteis seguintes À oposição de um ou vários membros permanentes do Conselho de Segurança, para organizar um debate sobre a situação na qual se manifestou o veto", afirma o texto proposto.

Quase 60 países copatrocinam a iniciativa de Liechtenstein, incluindo os Estados Unidos - o que surpreendeu a ONU e seus aliados mais próximos. Reino Unido e França devem votar a favor da reforma, mas optaram por não copatrocinar a mesma.

Rússia e China não divulgaram sua posição, mas não estão entre os patrocinadores do texto. 

"Vai dividir ainda mais a ONU", disse um diplomata de um destes países que pediu anonimato.

O projeto "cria um novo procedimento", defende o embaixador de Liechtenstein, Christian Wenaweser, que garante que a medida "não é contra ninguém".

"Não está direcionada contra a Rússia", insiste, apesar de a proposta de votação após mais de dois anos de gestão sem sucesso coincidir com a paralisação do Conselho de Segurança para conseguir a interrupção da invasão russa, devido ao direito de veto de Moscou, mesmo com a mobilização internacional.

Desde que a União Soviética recorreu pela primeira vez ao direito ao veto em 1946, sobre uma divergência entre Síria e Líbano, Moscou utilizou 143 vezes a medida, à frente dos Estados Unidos (86), Reino Unido (30) e China e França (18 vezes cada uma).

Veja também

Os possíveis candidatos para substituir Boris Johnson
Reino Unido

Os possíveis candidatos para substituir Boris Johnson

Boris Johnson, três anos turbulentos no poder
Reino Unido

Boris Johnson, três anos turbulentos no poder