Vacinação

Opas: 14 países das Américas já vacinaram 70% da população contra a covid-19

Segundo a organização, mais de dois terços das pessoas na América Latina e Caribe receberam duas doses

OMS afirmou que  cepa ômicron do coronavírus não é mais severa do que a originalOMS afirmou que cepa ômicron do coronavírus não é mais severa do que a original - Foto: AFP

Os casos e mortes por covid-19 diminuíram nas Américas, exceto no norte, e 14 países da região já vacinaram totalmente 70% de sua população, informou a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) nesta quarta-feira (20). 

Na última semana, os casos de covid-19 nas Américas diminuíram 2,3% e as mortes 15,2% em relação à semana anterior, mas no norte do continente, as infecções aumentaram 11,2%, e no Canadá, as internações também aumentaram em mais de 20%, disse Carissa Etienne, diretora da Opas, em uma entrevista coletiva virtual.

Além disso, com a retomada do turismo, os casos também aumentaram em alguns territórios caribenhos, como São Cristóvão e Névis, Santa Lúcia, Barbados e São Martinho.

Mais de dois terços das pessoas na América Latina e Caribe receberam duas doses, e muitos países da região têm algumas das maiores taxas de cobertura do mundo, disse a Opas, entidade regional da Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Quatorze países já atingiram a meta da OMS de vacinar totalmente 70% de sua população até 30 de junho, disse a organização, observando "progressos consideráveis desde o início do ano". 

"Há oito países e territórios que já vacinaram mais de 60% de sua população" e nos primeiros três meses de 2022 a Nicarágua aumentou a cobertura em 18%, Peru e Colômbia em 12% e Bolívia e Venezuela em quase 10%, detalhou a Opas.

No entanto, em algumas regiões a vacinação desalecerou ou se estagnou, como no Caribe, onde menos de 30% da população completou seu esquema vacinal. Esse é também o caso do Haiti, Jamaica, São Vicente e Granadinas e Santa Lúcia.

Guatemala, Guiana e Paraguai também não conseguiram vacinar metade da população. 

"Agora temos suprimentos suficientes de vacinas para atender à demanda em toda a nossa região", explicou Etienne, que pediu aos países que integrem as vacinas anticovid-19 com outras imunizações de rotina para ajudar "as famílias a ficar em dia com todas as vacinas de vez". 

A diretora da Opas também enfatizou a importância de vacinar mulheres grávidas porque em alguns países a covid-19 "se tornou a causa número um de mortes maternas".

Veja também

Justiça reduz pena de condenado por morte de cinegrafista em protesto
JUSTIÇA

Justiça reduz pena de condenado por morte de cinegrafista em protesto

Ter covid ou se vacinar no começo da gestação não aumenta risco de malformação do bebê, diz estudo
CORONAVÍRUS

Ter covid ou se vacinar no começo da gestação não aumenta risco de malformação do bebê, diz estudo

Newsletter