OPINIÃO

A cegueira do antissemitismo

Todas as vezes em que o antissemitismo cresceu, a democracia encolheu. A história é recheada de exemplos, desde a Inquisição até os dias de hoje. A Inquisição torturou, matou, mutilou e queimou na fogueira os condenados por heresia pelos tribunais da Igreja. Os judeus foram obrigados a adotar o catolicismo, muitos foram assassinados, expulsos, presos ou degredados. A Igreja e a Coroa Portuguesa, por exemplo, desterraram milhares de judeus, como mostra Alberto Dines na sua obra “Vínculos do Fogo”.

A perseguição movida pela Inquisição resultou em anos de escuridão – na qual a liberdade foi a principal vítima. Nos séculos 17 e 18, conta Dines, metade da população do Rio de Janeiro era de cristãos novos, judeus convertidos ao catolicismo à força, mas que seguiam praticando sua fé em segredo.

Há 100 anos, o antissemitismo ganhava as ruas da Europa com o recrudescimento dos governos totalitários, seja na antiga União Soviética ou no chamado mundo livre. A esquerda brasileira foi formada também pelos militantes judeus, como Olga Benário, judia alemã e mulher do líder comunista Luís Carlos Prestes.

Presa, acusada de subversão pelo governo Vargas, aos 27 anos foi enviada para Berlim grávida de 7 meses. Deu à luz à Anita Leocádia, de quem foi apartada 14 meses depois. Acabou assassinada pelo nazismo em 1942, aos 36 anos. Olga, imortalizada na obra de Fernando Morais, virou um dos símbolos da esquerda brasileira.

Jacob Gorender, escritor de “Combate nas Trevas”, foi um guerreiro judeu da liberdade, exemplo de coragem e determinação. Marchou para a 2ª Guerra como voluntário aos 18 anos, foi do PCB e fundou o PCBR com Mário Alves e Apolônio de Carvalho para aderir à luta armada contra a ditadura militar de 1964.

Lembro de Olga e Gorender porque foi na Europa do totalitarismo, o mesmo totalitarismo que temos hoje em ditaduras latino-americanas, asiáticas e islamitas, que a perseguição aos judeus ganhou tração, ao mesmo tempo em que as liberdades individuais e o direito à cidadania e à expressão foram massacrados por malucos como Hitler e Mussolini, ambos políticos que diziam falar em nome dos trabalhadores.

Nunca é demais lembrar que Hitler veio do Partido Alemão dos Trabalhadores e Mussolini teve sua origem política no Partido Socialista, como detalha Antonio Scurati no seu “M o filho do século”. Não foram apenas os judeus os perseguidos, embora maioria, mas também ciganos, negros, islâmicos, comunistas e homossexuais. A lista é grande. Qualquer um de nós poderia estar nela.

O Brasil vive uma onda de antissemitismo. É sinal de que nossa liberdade corre o sério risco de ser amordaçada, nosso pensar proibido e o direito de ir e vir maculado, exatamente como aconteceu nos anos 1930, quando Getúlio Vargas e seu ministro da guerra Pedro Aurélio Góis Monteiro flertavam com os nazistas e fascistas em bailes regados a champanhe francês, camarão brasileiro e charutos cubanos. Hoje, não são os nazistas, mas os totalitaristas de Cuba, Venezuela, Nicarágua ou Irã.

É um erro, uma aberração e um crime de racismo protestos contra judeus. Se os políticos de Israel cometem erros, essa não pode ser uma questão determinante para culpar ou execrar todo um povo. Em 29 de outubro, judeus fugidos da guerra quase foram linchados num aeroporto da República Russa por militantes que carregavam bandeiras palestinas. Aqui no Brasil, uma célula terrorista estaria sendo criada para promover ataques a judeus, mas graças à Polícia Federal foi desbaratada a tempo de evitarmos um desastre.

Não foi o que aconteceu em 18 de julho de 1994, quando um carro bomba pôs abaixo a sede da Amia (Associação Mútua Israelita) em Buenos Aires. Cobri aquele atentado como enviado especial do Correio Braziliense. Nunca vou esquecer do cheiro da morte, dos pedaços humanos dos 85 mortos sendo recolhidos por soldados, pernas, mãos e pedaços de carne ainda sangrando. Roupas encharcadas de sangue. Só quem viu e sentiu o cheiro sabe de verdade o que é isso. No curso das investigações, descobrimos serem os autores terroristas islâmicos que usaram um furgão Ford Traffic carregado de explosivos.

O ódio dá muita liga. Junta mais gente que o amor. Não é culpa das redes sociais, como querem fazer crer alguns. É culpa da falta de noção, de entendimento e bom senso. O doutor Sobral Pinto, o maior advogado que o Brasil já produziu, era católico e conservador, mas nem por isso deixou de defender comunistas e perseguidos políticos de qualquer matiz, de Luís Carlos Prestes a Carlos Lacerda, de JK a Miguel Arraes e até o integralista Plínio Salgado, de extrema direita. Sua independência rendeu-lhe uma prisão aos 75 anos decretada pelo governo militar com base no AI-5.

Não há bom senso em apoiar, apenas para marcar posição política, regimes ditatoriais, sejam eles islamitas ou não. O islã dos aiatolás é o islã da ditadura e intolerância, inimigo da cultura ocidental, adepto do pobrismo como meio de perpetuação no poder. Seria incapaz de sobreviver numa sociedade próspera. São muito diferentes dos sauditas. Israel, cravado no meio do Oriente Médio, com seu antipobrismo, democracia e prosperidade é um péssimo exemplo. O inimigo a ser batido.

Os demagogos que fazem a ardente defesa, não do povo pobre e subjugado da Palestina, mas sim de Hamas, Hezbollah, Fatah, Estado Islâmico, Talibãs ou Jihad Islâmica, não aguentariam nem uma semana num regime comandado por essa turma. Imagine não poder beber uma cerveja, não poder sair de mãos dadas com sua companheira, não poder ser gay, não poder dizer o que pensa, ter a mão cortada se for pego roubando ou condenado ao apedrejamento por adultério. Não dá para levar a sério quem defende isso.

Como dizia o doutor Sobral Pinto, somos todos “membros desta vasta e tão atribulada família humana”. Entendia o mestre que a criatura está acima das ideologias. O adversário, e até mesmo o inimigo, nunca perde a condição humana.

Tenho a clara sensação de que o mundo vive seu momento de Titanic coletivo. Há um iceberg pronto para partir o casco e nos levar a pique, mas ninguém quer se incomodar com isso. Uma cegueira coletiva à la José Saramago.

* Jornalista.

___
Os artigos nesta seção não expressam a opinião do jornal e são de responsabilidade de seus autores. 

Veja também

Nas trilhas do desenvolvimento local
OPINIÃO

Nas trilhas do desenvolvimento local

Além das águas de março
OPINIÃO

Além das águas de março