OPINIÃO

O tamanho da tragédia provocada pelo Coronavírus

Essa não é hora da velha queda de braço dos politiqueiros, mas sim daqueles que compreendem a dimensão dos Cargos que ora ocupam

Paulo Farias do Monte *

Uma Aeronave Airbus, na sua referência A321, consegue acomodar 185 passageiros na distribuição tradicional, com duas classes, ou 220 com uma configuração única de classe econômica.

Utilizo-me deste parâmetro para que a gente possa dimensionar o tamanho da tragédia que tem causado o coronavírus, transmissor da doença Covid-19. Não vou falar no nível mundial, mas apenas no Brasil.

É comum nas pessoas o choque com tragédias esporádicas. O acidente com um ônibus, onde há 40 mortes ou a queda de uma Aeronave, onde morrem cerca de 220 pessoas chocam, estarrecem.

O mundo e as pessoas ficam aterrorizadas com esses eventos. No ataque às torres gêmeas, em Nova Iorque, foram 3 mil mortes e o mundo abismou-se.
No entanto, o alarma do povo parece ser menor quando a tragédia vem de forma gradual, mesmo em grandes números a cada dia.

É como houvesse um conformismo, um acostumar-se.

Ontem, 09 de maio de 2020, foram mais 748 mortos no Brasil dentro de 24 horas e passamos de 10 mil mortos. Para ter a real compreensão dessa tragédia é como se caíssem três aeronaves e meia em um dia. Agora, vamos contabilizar o número de mortes que já ocorreram no Brasil por essa Pandemia.

São 10.621(dez mil, seiscentas e vinte uma) mortes dentro de dois meses.
É como do dia 14 de março até 08 de abril, 49 aviões lotados, tivessem caído em território brasileiro e deixando todos os passageiros e tripulantes mortos.
Essa é a nossa triste realidade e, talvez com esse comparativo, nosso povo possa, por fim entender a importância de colaborar, esforçando-se para ficar em casa, mesmo diante de todas as dificuldades financeiras.

É hora de acreditar mais na ciência do que em crendices e em políticos que, mesmo sem qualquer conhecimento sobre infectologia, teimam em usar sua força e liderança para conduzir o povo como conduz uma boiada para o matadouro.

Essa não é hora da velha queda de braço dos politiqueiros, mas sim daqueles que compreendem a dimensão dos Cargos que ora ocupam, num esforço conjunto para salvar vidas.

Vamos seguir as orientações da Organização Mundial de Saúde.

Já vi empresa quebrar e soerguerem-se. Ressurreição, só tenho conhecimento de dois casos: Jesus e Lázaro, ressuscitado pelo primeiro.

Vamos juntos ficar em casa, só saindo quando necessário. Se precisar sair, usar máscaras para vencermos essa pandemia.

É um erro crasso colocar a economia com bem maior que a vida. A Vida é bem inalienável e indisponível . A oportunidade de viver é única.

Como bem diz a bela canção de Ana VILELA: “A vida é trem bala, parceiro e a gente é só passageiro prestes a partir”.

* Paulo Farias do Monte é advogado.

Veja também

Festival Cena Brasil realiza edição virtual
Festival cultural

Festival Cena Brasil realiza edição virtual

MEC publica portaria com diretrizes gerais para educação básica
Educação

MEC publica portaria com diretrizes gerais para educação básica