Opinião

Ocupamos a Câmara Municipal do Recife!

O mês de março é especial. Ao tempo que evidencia os avanços das políticas de gênero, também escancara o quão distante ainda estamos de uma democracia plena, que garanta todos os nossos direitos. Vivemos sob alarmantes índices de feminicídio e transfeminicídio. Pernambuco é o Estado em que mais morrem pessoas trans e a cada seis horas uma mulher é assassinada no Brasil pelas mãos de um homem. Temos muito trabalho pela frente. Para reforçar nossa luta, colocamos 39 mulheres para ocupar as 39 cadeiras legislativas da Câmara Municipal, em uma sessão solene realizada no dia 15 deste mês. Homenageamos, nas mais diversas áreas, mulheres que promovem direitos e amplificam vozes. Juntas, gravamos na memória um momento importantíssimo: a Casa do Poder Legislativo repleta de diversidade, cores, classes, credos e possibilidades. Ainda somos sub representadas nas casas legislativas brasileiras e mesmo com o recorde, em 2022, com diversas mulheres eleitas para o congresso e as assembleias, preenchemos somente 26,5% dos assentos, valor muito aquém da média mundial, segundo o levantamento da União Inter-Parlamentar. Povoamos as cidades, migramos de vários lugares, somos mais escolarizadas e a maioria da população mas, para garantirmos um salto civilizatório, é preciso ocupar a política e os espaços de poder! Foi com a política - e a força do nosso voto - que derrotamos o governo Bolsonaro que nos atacava e retirava direitos. Restabelecemos a democracia com a participação das mulheres organizadas e barramos a necropolítica de Damares. Movemos as marés e elegemos o presidente Lula que veio vestido de esperança e com um projeto robusto de felicidade para todas nós. É dever do poder público promover políticas afirmativas, mas toda a sociedade precisa se engajar. Pensando nisso, criamos o Protocolo Violeta, um projeto de lei de combate ao assédio, principalmente contra mulheres e LGBTQIA+. Segundo o IPEC, 45% das brasileiras já tiveram seu corpo tocado sem consentimento em espaços públicos. Com a aprovação do Protocolo, equipamentos de lazer noturno, como bares e boates, serão capacitados para denunciar casos de violência e acolher as vítimas. Colocamos uma campanha na rua para envolver toda a sociedade com esse tema urgente. Para saber mais, acesse: www.protocolovioleta.com.br  Na presidência da Comissão da Mulher do Recife tenho me debruçado sob um conjunto de projetos e ações, entre elas a criação do Fundo Municipal da Mulher, o concurso público da Secretaria da Mulher e a construção do Centro Bárbara de Alencar. Tive o prazer de participar de suas construções, ainda enquanto secretária da Mulher, e agora parabenizo o esforço e a dedicação da atual secretária, Glauce Medeiros, em transformá-los em realidade. Tais políticas impulsionam o acesso à crédito, a perenidade de políticas de gênero e a ampliação do escopo de atuação da secretaria. Trabalharemos bastante para que essas políticas sejam fortalecidas e ampliadas. Todo dia é dia de levantar para garantir nossos direitos. Nossa luta é para emancipar as mulheres e construir uma sociedade onde homens e mulheres caminhem juntos rumo ao progresso.

*Poeta, Advogada e Vereadora do Recife

Veja também

O day after das guerras

O day after das guerras

É o fim da Engenharia de Software?

É o fim da Engenharia de Software?

Newsletter