Notícias

Órgão de saúde dos EUA recua e muda texto sobre cloroquina em caso de coronavírus

O presidente Donald Trump tem feito uma defesa otimista sobre o remédio, utilizado hoje no tratamento de doenças como malária, lúpus e artrite reumatoide

Cloroquina é usada em testes contra a Covid-19Cloroquina é usada em testes contra a Covid-19 - Foto: Gerard Julien/AFP

Em meio às discussões sobre o uso da hidroxicloroquina e da cloroquina para tratar e prevenir a Covid-19, o Centro de Prevenção e Controle de Doença dos EUA (CDC, na sigla em inglês) retirou de seu site as orientações para os médicos sobre como prescrever a substância nos casos de coronavírus. O presidente Donald Trump tem feito uma defesa otimista sobre o remédio, utilizado hoje no tratamento de doenças como malária, lúpus e artrite reumatoide, e causou uma corrida desesperada às farmácias americanas nas últimas semanas.

A cloroquina -ou sua variante, hidroxicloroquina- apresentou resultados promissores em dois estudos muito preliminares contra o coronavírus, mas ainda não há provas de sua verdadeira eficácia. A página do CDC intitulada "informações para clínicos sobre opções terapêuticas para pacientes com Covid-19" dizia que, "embora dosagem e duração da hidroxicloroquina no tratamento para a Covid-19 sejam desconhecidas, alguns clínicos dos EUA têm reportado" formas de prescrever o medicamento nesses casos.

Leia também:
Fiocruz divulga possível eficácia de medicamento contra Covid-19
EUA diz que não dificultaram envio de insumos para o Brasil
Enquanto Mandetta reitera cuidado com cloroquina, Bolsonaro volta a defender remédio contra coronavírus

Agora o site diz apenas que "a hidroxicloroquina e a cloroquina estão sob investigação em ensaios clínicos para profilaxia pré-exposição ou pós-exposição da infecção por SARS-CoV-2 e tratamento de pacientes com Covid-19 leve, moderado e grave". E que "não há medicamentos ou outros terapêuticos aprovados pela FDA (agência reguladora de alimentos e medicamentos nos EUA) para prevenir ou tratar a Covid-19". A passagem inicial do site do CDC gerou debate na comunidade médica, já que não citava nenhum fato científico. Especialistas relataram à agência de notícias Reuters que os termos utilizados eram incomuns, já que "baseados em relatos."

De acordo com a Reuters, a primeira orientação foi elaborada pelo CDC depois que Trump pressionou pessoalmente autoridades de saúde para tentar tornar o medicamento mais amplamente disponível para o tratamento de coronavírus. Questionado sobre os efeitos da substância e o fato de não haver ainda prova científica de que sua eficácia contra a Covid-19, Trump tem sido dúbio e, apesar de defender o remédio, termina suas declarações com "mas não sou médico."

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro também defende o remédio como tratamento para a Covid-19. Nesta terça-feira (7), o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, afirmou que recomenda o uso do medicamento a pacientes internados em estado grave, mas que não mudará o protocolo antes de evidências científicas robustas sobre a segurança e eficácia da droga nos casos de infecção por coronavírus.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Prefeitura inicia construção do Compaz Paulo Freire, no bairro do Ibura
Social

Prefeitura inicia construção do Compaz Paulo Freire, no bairro do Ibura

Polícia registra 12 ocorrências após show de João Gomes, maioria furto ou extravio de objetos
Marco Zero

Polícia registra 12 ocorrências após show de João Gomes, maioria furto ou extravio de objetos