Os temas urgentes do Sínodo sobre a Amazônia

Vaticano debate a defesa da Amazônia e de seus habitantes

Temas envolvem a AmazôniaTemas envolvem a Amazônia - Foto: Tiziana Fabi/AFP

A partir desta segunda-feira (7), no Vaticano, mais de 200 pessoas, entre bispos, especialistas, missionários e indígenas, debatem por três semanas uma série de temas urgentes sobre a defesa da Amazônia e de seus habitantes.

Confira abaixo os temas mais importantes que serão abordados no Sínodo sobre a Amazônia:

'Viri probati' e celibato
Devido à escassez de religiosos que possam ensinar os sacramentos na região, muitos bispos locais manifestaram, por meio de um documento, que são a favor da ordenação de homens casados, com uma vida cristã exemplar - os chamados "viri probati", os quais, neste caso, seriam indígenas.

Pelo menos 70% das comunidades da região amazônica não têm acesso à missa dominical.

O assunto gerou críticas, em particular do cardeal africano Robert Sarah, administrador da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos. Ele alega que, com isso, apoiam-se projetos "típicos do cristianismo burguês e mundano", que destroem o sacerdócio.

Para o cardeal americano ultraconservador Raymond Burke, são "erros teológicos".

"O celibato (...) não é um dogma, não é uma prática inalterável", alega, por sua vez, o cardeal alemão Walter Kasper. "Se os bispos pedem padres casados, o papa deve aceitar", acrescenta.

Espiritualidade dos indígenas
Para um melhor diálogo com os indígenas, a Igreja deveria "integrar melhor sua espiritualidade" e seus símbolos, rompendo com uma "posição rígida", como pedem alguns bispos e missionários.

Na assembleia, será questionado se o catolicismo deve se conjugar sempre e em todos os lugares como os símbolos da cultura romana e latina, ou se pode ser interpretado à sua maneira.

Leia também:
Fogo na Amazônia foi ateado por interesses que destroem, diz papa
Focos de incêndio na Amazônia caíram 16% em setembro


Para o cardeal alemão Walter Brandmüller, ex-presidente do Comitê Pontifício para as Ciências Históricas, é uma "heresia". Ele também critica a corrente que magnifica as "práticas curativas indígenas" e "o diálogo com os espíritos".

O cardeal Burke diz que são formas de "paganismo".

Desmatamento e mineração
O texto de trabalho do Sínodo cita diretamente as comunidades indígenas que denunciam "grandes projetos" nesta reserva ambiental mundial, os quais acabam por "devastar territórios e populações" com o pretexto de levar desenvolvimento.

No documento, aponta-se que estes projetos são, às vezes, apoiados pelos governos locais e federal, e outras, pelas autoridades indígenas.

Ex-presidente da Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal Gerhard Müller diz que o assunto não tem fundamento bíblico e que são temas sociológicos "do mundo globalizado".

O cardeal Brandmüller rejeita que a Igreja aborde temas como "ecologia, economia e política" e que interfira nos assuntos do Estado brasileiro.

Para o papa Francisco, trata-se de se opor a um sistema que favorece "a cultura do descarte", dos explorados e dos esquecidos.

Veja também

Carrefour terá que punir funcionário que praticar racismo, decide Justiça
Racismo

Carrefour terá que punir funcionário que praticar racismo, decide Justiça

Novos casos de HIV superaram 20% na América Latina na última década, diz OPAS
HIV

Novos casos de HIV superaram 20% na América Latina na última década, diz OPAS