Pan: com campanha histórica, Brasil brilha na natação

Natação brasileira conquistou 30 medalhas, sendo dez ouros, nove pratas e 11 bronzes nos Jogos Pan-Americanos

Brasil subiu 30 vezes no pódio da natação em LimaBrasil subiu 30 vezes no pódio da natação em Lima - Foto: Wander Roberto/COB

Trinta medalhas em cinco dias de competição. Dez ouros, nove pratas e 11 bronzes. Com esse desempenho, a natação brasileira obteve no sábado, em Lima, o melhor resultado de sua história em Jogos Pan-americanos. Na última noite de provas, coube a Guilherme Costa, Caio Pumputis, Leonardo Santos e os revezamentos 4x100m medley superarem a marca anterior, de 26, em Toronto 2015. 

A sessão começou para o Brasil com as especialistas na maratona aquática, Viviane Jungblut e Ana Marcela Cunha, disputando a final dos 1.500m livre e terminando em quinto e sétimo lugares, respectivamente. Depois foi a vez de Camila Lins terminar em sétimo lugar nos 200m medley feminino.

Leia também:
Provas de natação no Pan de Lima começam nesta terça (6)
Etiene Medeiros conquista ouro nos 50 metros livre do Pan
Pan: com bronze de Etiene, Brasil tem dia cheio de medalhas

As primeiras medalhas da noite vieram nos 200m medley masculino, com Caio Pumputis (segundo) e Leonardo Santos (terceiro). Elas já eram suficientes para o Brasil superar a marca de 26 medalhas em uma única edição. Mas ainda tinha Guilherme Costa nos 1.500m (ouro) e os revezamentos 4x100m medley masculino (prata) e feminino (bronze).

Guilherme Costa, de 20 anos, mostrou que, além de velocistas, a natação brasileira também produz grandes fundistas. Costa, mais conhecido como Cachorrão, venceu com a marca de 15min09s93. O americano Nicholas Sweetser foi o segundo e levou a prata (15min14s24) e o mexicano Ricardo Jacobo capturou o bronze (15min14s99). Diogo Villarinho ficou na sexta posição (15min26s94).

E, para encerrar a noite, os revezamentos 4x100m medley masculino e feminino, prata e bronze, respectivamente. No masculino, a equipe nacional (Guilherme Guido, João Gomes Júnior, Vinícius Lanza e Marcelo Chierighini) foi superada: registrou 3min30s98, contra 3min30s25 dos norte-americanos. A Argentina ficou com o bronze (3min38s41).

O revezamento 4x100m medley feminino (Etiene Medeiros, Jhennifer Conceição, Giovanna Diamante e Larissa Oliveira) cravou o tempo de 4min04s96 e terminou atrás das campeãs norte-americanas (3min57s64) e do Canadá (4min01s90), que levou a prata. Este resultado colocou a nadadora Larissa Oliveira entre as grandes medalhistas do esporte brasileiro na história da competição, com dez medalhas. A pernambucana Etiene Medeiros chegou a nova pódios no evento, sendo cinco apenas nesta edição.

 

Veja também

Covid-19: Brasil acumula 5,49 milhões de casos e 158,9 mil mortes
boletim

Covid-19: Brasil acumula 5,49 milhões de casos e 158,9 mil mortes

Mulher negra é nomeada para principal cargo da polícia de Nova York
internacional

Mulher negra é nomeada para principal cargo da polícia de Nova York