Pandemia complica rotina de brasileiros em missões de paz no exterior

Atualmente são quase 300 brasileiros, entre militares, policiais e observadores, atuando em missões de paz da ONU (Organização das Nações Unidas), sobretudo na África e no Oriente Médio

Coronavírus na África Coronavírus na África  - Foto: MARCO LONGARI / AFP

A pandemia do novo coronavírus também complicou a rotina de militares brasileiros em missões de paz no exterior. Cuidados específicos de higiene e políticas de distanciamento social somam-se às atividades diárias, que, em alguns casos, significam lidar com o vírus ao mesmo tempo em que enfrentam grupos armados. Atualmente são quase 300 brasileiros, entre militares, policiais e observadores, atuando em missões de paz da ONU (Organização das Nações Unidas), sobretudo na África e no Oriente Médio.

Leia também:
Letalidade do coronavírus entre presos brasileiros é o quíntuplo da registrada na população geral
ONU diz que jornalismo é essencial para neutralizar desinformação
Primeiros afetados pela Covid-19 no Brasil tinham, em média, 39 anos

O maior efetivo brasileiro está no Líbano, na missão chamada Unifil. O Brasil mantém um navio de guerra -onde atuam 200 militares da Marinha, além de oficiais que integram o Estado Maior da missão. Um brasileiro também comanda a Força-Tarefa Marítima da Unifil, que engloba embarcações de seis países. Com o surto de Covid-19, parte das atividades da missão foi suspensa.


"Nós continuamos com as patrulhas na costa do Líbano, com as detenções, que é nossa missão principal. Mas o apoio para treinar a marinha do Líbano acabou suspenso em março, porque envolve um contato físico maior, com militares subindo nas nossas embarcações", afirma o comandante da Força-Tarefa Marítima, o contra-almirante Sérgio Renato Berna Salgueirinho.

Outra mudança significativa é que os militares estão há mais de um mês praticamente restritos ao navio, proibidos de "baixar à terra", nos termos da Marinha. Antes da pandemia, os ocupantes ganhavam dois dias de folga após cada atividade de patrulha –que leva de cinco a oito dias. Eram autorizados a circular pela capital Beirute, voltando à noite para dormir na embarcação.

"Agora há restrição de contato com a população local. Então eles [os militares] usam o cais em frente ao navio para fazer atividade física, jogar futebol e descansar, enquanto o navio recebe suprimentos", completa o comandante.
Como dentro do navio os compartimentos são pequenos, com escadas apertadas e corredores estreitos, também foram adotadas políticas para evitar aglomerações, além da limpeza constante. A Unifil registrou um caso do novo coronavírus. O militar -cuja nacionalidade não foi informada- foi colocado em quarentena e já se recuperou da doença.

Na missão na República Democrática do Congo, a Monusco, o cuidado com o novo coronavírus dá-se no meio de um violento conflito que atinge o país africano há mais de duas décadas. "A busca pelo equilíbrio entre ambos os imperativos é uma tarefa complexa. Se você aumenta demais as medidas preventivas, perde a capacidade de atuar. Se incrementa as atividades operacionais sem cuidar do seu soldado, você o expõe de maneira imprudente ao risco de contagiar e ser contaminado", afirma o comandante geral do componente militar da Monusco, o general Ricardo Augusto Ferreira Costa Neves. "A despeito dessa complexidade, esse equilíbrio não é impossível", disse nesta sexta-feira (1º), antes de embarcar para coordenar operações na província de Sud Kivu, alvo de violentos ataques recentes de grupos armados.

O general Costa Neves comanda um dos maiores efetivos da ONU, com mais de 18 mil militares. A Monusco combate cerca de cem grupos armados, localizados principalmente no sul e no leste do país. Nos últimos dias, uma série de atentados no lado oriental ameaçam a frágil estabilidade na região. Esta não é a primeira epidemia enfrentada pelos militares brasileiros no exterior. Há poucos anos, a Monusco também enfrentou o ebola.

O coronavírus chegou à África recentemente, mais tarde do que à Europa e ao continente americano, mas já causou 31 mortes no Congo. O comandante e os outros 20 brasileiros que compõem a missão buscam seguir as orientações, usando máscaras, higienizando as mãos e evitando cumprimentos. Ao mesmo tempo, precisam estar no cenário de operações, viajando em aeronaves das missões e veículos blindados, e interagindo com a população.

"Em um local onde temos ataques diários contra civis, refugiados e forças de segurança do país, se os capacetes azuis não mantiverem uma forte presença para apoiar os esforços de segurança, é possível que o número de violações de direitos humanos cresça de maneira exponencial", disse Costa Neves.

No Saara Ocidental, a coronel Yamar Eiras Baptista não precisa ir a campo, mas está submetida a grande isolamento. A militar brasileira chegou à região -que busca independência do Marrocos- no ano passado, como observadora militar. Em dezembro tornou-se a militar sênior de logística da missão, a Minurso. A coronel cuida do fornecimento de suprimentos, do transporte e da manutenção dos equipamentos.

Em seu trabalho, portanto, costumava receber demandas pessoais diárias, dos mais diversos setores da missão. Mas agora, relata, seu colaboradores fazem trabalho remoto e não há mais um vaivém de integrantes da missão em busca de informação. "Tudo é muito solitário e silencioso agora", conta a militar.
A situação de isolamento agravou-se em março, porque o governo do Marrocos decretou o "lockdown", com toque de recolher obrigatório entre as 19h e as 5h. "Atividades rotineiras, como fazer compras, ir à igreja ou caminhar não são mais possíveis."

No Sudão do Sul, o coronel Taylor de Carvalho Neto lida diretamente com a pandemia, pois ele é o responsável por implementar as medidas de segurança para evitar as infecções na missão, a UNMiss. Ele também é responsável pelo treinamento das tropas, para que continuem sua atuação, mas reduzindo o risco de contágio. O país é palco de grande conflito, praticamente ininterrupto, desde 2013. A ONU estima que 400 mil pessoas morreram desde então. Além disso, a violência resultou em 2,3 milhões de refugiados.

O surto de coronavírus ainda está em estágio inicial no Sudão do Sul, mas a preocupação é grande, por se tratar de nação marcada pela pobreza e pela falta de estrutura de saúde. Uma das primeiras medidas da missão foi implementar rodízio: metade trabalha presencialmente e a outra metade, de casa. O coronel relata que as atividades operacionais seguem sendo executadas normalmente, embora os militares agora usem máscaras, luvas e viseiras, juntamente com os fuzis e pistolas.

Outra dificuldade enfrentada pelo coronel Taylor e demais militares é que todas as folgas foram canceladas, desde o fim de março. "Também não tenho uma previsão de quando terminarei minha missão", afirma, explicando que a rotação dos contingentes de tropas foi adiada, e as missões de observadores e oficiais foram estendidas até 30 de junho, com perspectiva de nova prorrogação para garantir a operacionalidade. Seu futuro e também o dos demais brasileiros que integram nove missões da ONU depende do patamar que a pandemia vai alcançar nos próximos meses.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira com arma carregada
Capitólio

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira com arma carregada

Salas têm 80% de ocupação; Defensoria diz que Inep mentiu
Enem 2021

Salas têm 80% de ocupação; Defensoria diz que Inep mentiu