Covid-19

Pandemia em queda nos Estados Unidos; casos aumentam na Europa e Brasil

Brasil vive a fase mais letal da pandemia do coronavírus sem uma estratégia nacional para contê-la

Mais uma área para vítimas da Covid-19 no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus.Mais uma área para vítimas da Covid-19 no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus. - Foto: Michel Dantas/AFP

Os Estados Unidos registraram na quinta-feira sinais promissores na luta contra a covid-19, com o balanço de menos de 40.000 casos em um dia pela primeira vez desde outubro, mas a pandemia afeta com força o Brasil e volta a ameaçar a Europa. 

Após o recorde quase 300.000 casos em 24 horas registrado em 8 de janeiro, o número de infectados voltou aos níveis anteriores às festividades do Halloween, em outubro, do Dia de Ação de Graças, em novembro, e das celebrações do fim de ano, quando viagens e aglomerações familiares desafiaram os avisos das autoridades e foram a causa da propagação do vírus nos Estados Unidos.

Outro sinal encorajador no país mais afetado do mundo pela doença, com mais de 520.000 mortes, é que a média semanal de mortes e hospitalizações também está em queda. Em uma campanha iniciada em dezembro, o país administra três vacinas à população e o governo do presidente Joe Biden avança no objetivo de vacinar 100 milhões de pessoas nos primeiros 100 dias de governo.

Europa inicia estudo da Sputnik  

Na Europa, a situação é preocupante. Na semana passada, os novos casos de covid-19 no continente aumentaram 9% após seis semanas de redução para alcançar um pouco mais de um milhão, afirmou o diretor para a Europa da OMS, Hans Kluge.

""Registramos um ressurgimento na Europa central e leste. Os novos casos também aumentam em vários países do oeste da Europa, onde os índices já eram elevados", completou.

Dos 53 países que integram a região Europa da OMS, que vai até o centro da Ásia, 45 já iniciaram as campanhas de vacinação.

As autoridades de saúde europeias iniciaram na quinta-feira o processo de avaliação da vacina russa contra a covid-19 Sputnik V, enquanto a Itália, que pressiona pela aceleração da campanha de imunização na Europa, anunciou o bloqueio do envio de doses da AstraZeneca para a Austrália.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) iniciou um estudo da vacina russa Sputnik V, produzida pelo centro de pesquisas moscovita Gamaleya, uma etapa crucial para a eventual distribuição do fármaco no continente.

Após o anúncio, as autoridades russas se declararam dispostas a fornecer doses para 50 milhões de europeus a partir de junho.

Ao mesmo tempo, o laboratório alemão CureVac assinou um acordo com a gigante farmacêutica suíça Novartis para a produção, a partir deste ano, da vacina de RNA mensageiro contra a covid-19 que está desenvolvendo, anunciou a empresa.

O projeto de vacina da CureVac está na fase 3 de testes clínicos e está sendo avaliado de forma contínua pela EMA. A Comissão Europeia assinou um contrato com a CureVac para adquirir 405 milhões de doses.

Até o momento, três vacinas estão autorizadas na União Europeia: Pfizer-BioNTech, Moderna e AstraZeneca. O fármaco da Johnson & Johnson está em processo de autorização, enquanto as da Novavax e CureVac estão em processo de análise.

Cinco países (Reino Unido, Canadá, Austrália, Suíça e Singapura) decidiram aprovar de forma acelerada as novas gerações de vacinas adaptadas para neutralizar as variantes do coronavírus, segundo uma recomendação revelada na quinta-feira por um consórcio que reúne suas agências de medicamentos.

Alemanha e Suécia autorizaram na quinta-feira, depois da França, a aplicação da vacina AstraZeneca/Oxford em pessoas com mais de 65 anos.

Já a Itália anunciou o bloqueio da exportação para a Austrália da vacina desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca, com base em uma normativa da União Europeia.

Diante do aumento das variantes do vírus, Israel, Áustria e Dinamarca anunciaram uma aliança para o desenvolvimento e produção de novas gerações de vacinas 

A pandemia provocou pelo menos 2,5 milhões de mortes no mundo desde dezembro de 2019, segundo um balanço da AFP.

Brasil à beira do colapso 

Com recordes de mortes, hospitais à beira do colapso e uma campanha de vacinação lenta, o Brasil vive a fase mais letal da pandemia do coronavírus sem uma estratégia nacional para contê-la.

O país registrou recordes de mortes diárias esta semana e total de vítimas fatais se aproxima de 260.000 desde o início da pandemia.

"Pela primeira vez desde o início da pandemia, verifica-se em todo o país o agravamento simultâneo de diversos indicadores", afirmou esta semana a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), vinculada ao ministério da Saúde.

Relatório suspenso 

Os especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) enviados em janeiro a Wuhan, China, para investigar a origem da pandemia de covid-19 não divulgarão suas conclusões preliminares, informou o Wall Street Journal (WSJ).

"Um mero resumo não satisfaria a curiosidade dos leitores", disse o coordenador da equipe de investigadores, Peter Ben Embarek, ao WSJ.

Agora a OMS planeja publicar "nas próximas semanas" um relatório completo que incluirá as "principais conclusões", segundo um porta-voz da OMS citado pelo jornal americano.

O governo dos Estados Unidos espera que a China demonstre "transparência", que compartilhe o que sabe sobre o início da pandemia, afirmou na quinta-feira o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price.

"Trata-se de aprender e fazer, de estarmos posicionados para fazer tudo o que pudermos para proteger a nós mesmos, ao povo americano e à comunidade internacional contra futuras ameaças de pandemia", disse Price.

"É por isso que precisamos deste entendimento. E por isto que precisamos da transparência do governo chinês", afirmou.

Veja também

Em dois anos Brasil apreende 114 milhões de maços de cigarro oriundo de contrabando
Fiscalização

Em dois anos Brasil apreende 114 milhões de maços de cigarro oriundo de contrabando

Mortes de grávidas e puérperas por Covid-19, no Brasil, dobram em 2021
Pandemia

Mortes de grávidas e puérperas por Covid-19, no Brasil, dobram em 2021