Coronavírus

Pandemia supera três milhões de contágios na Europa e avança implacável na América Latina

Apesar dos balanços alarmantes, autoridades e cidadãos estão cientes de que o número real de infecções e mortes é, sem dúvida, superior

Teste de coronavírusTeste de coronavírus - Foto: Maurício Vieira/ Secom - SC

A Europa ultrapassou, nesta quinta-feira (23), 3 milhões de contágios, e a América Latina superou os 4 milhões, metade deles no Brasil, onde a pandemia segue sem controle, com quase 68.000 novos casos em 24 horas. No total, o novo coronavírus matou pelo menos 627.000 pessoas desde que surgiu no final do ano passado na China e causou mais de 15 milhões de infecções em todo mundo.

Apesar dos balanços alarmantes, autoridades e cidadãos estão cientes de que o número real de infecções e mortes é, sem dúvida, superior. O uso obrigatório de máscaras, o retorno das restrições diante de novos surtos, os avanços em direção a uma vacina, ou tratamento eficaz, previsões mais ou menos encorajadoras, ocupam a agenda do planeta.

A isso, soma-se o impacto econômico da pandemia, que mergulhou grande parte do mundo em recessão e está causando falências, desemprego e um preocupante aumento da pobreza.

A ONU considerou nesta quinta-feira que é "urgente" conceder uma renda mínima temporária aos mais pobres do mundo para interromper os efeitos da pandemia.

De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), cerca de US$ 199 bilhões por mês poderiam "fornecer uma renda mínima garantida por seis meses para os 2,7 bilhões de pessoas que vivem abaixo, ou logo acima da linha de pobreza, em 132 países em desenvolvimento".

1,5 milhão de casos por semana 
A pandemia "agora está se espalhando a uma taxa de mais de 1,5 milhão de novos casos por semana, especialmente nos países em desenvolvimento, onde sete em cada 10 trabalhadores vivem, graças aos mercados informais, e não podem ganhar dinheiro, se permanecerem em suas casas", segundo a ONU.

Com a crise causada pela pandemia de COVID-19, o Fundo Monetário Internacional (FMI) espera uma recessão de 4,9% neste ano. Milhões de pessoas no mundo estão, ou estarão, desempregadas em 2020.

Para mitigar o impacto da pandemia, a União Europeia (UE) aprovou nesta semana um plano de recuperação e um orçamento para os próximos sete anos, apresentados nesta quinta-feira perante o Parlamento Europeu.

Embora o plano seja um triunfo para o bloco e mostre sua "solidez", de acordo com o presidente do Conselho, Charles Michel, também tem uma desvantagem.

O projeto, que prevê um fundo de 750 bilhões de euros (840 bilhões de dólares), baseado em uma mutualização da dívida, é "uma luz no fim do túnel. Mas com a luz também vêm as sombras. E, neste caso, a sombra é um orçamento escasso da UE a longo prazo (...) Este orçamento será amargo", declarou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Sem controle 
No Brasil, com uma população de 212 milhões de habitantes, a curva pandêmica está longe de ser controlada. Nas últimas 24 horas, o país registrou mais de 1.200 óbitos.

Além disso, os especialistas consideram que os números são muito subvalorizados, devido à falta de testes de detecção de coronavírus.

O presidente Jair Bolsonaro, que minimizou a gravidade da pandemia desde o seu início, testou novamente positivo para a COVID-19 na quarta-feira, duas semanas após receber o primeiro diagnóstico positivo, segundo fontes oficiais.

O México, com mais de 41.000 mortes e mais de 362.000 infecções, é o segundo país da região e o quarto do mundo mais atingido pela pandemia. No Peru, as 17.000 mortes por coronavírus foram superadas após a soma ao balanço de mais de 3.600 mortes que não haviam sido contabilizadas oficialmente pelas autoridades de saúde, informou a nova ministra da Saúde, Pilar Mazzetti.

Nos Estados Unidos, houve mais de 60.000 infecções em 24 horas. O país já registra quase quatro milhões de infecções e mais de 143.000 mortes. A Califórnia é o estado mais afetado, com quase 415.000 casos de contágio e 7.870 óbitos.

A prefeita de Washington, Muriel Bowser, ordenou que os moradores da cidade cubram o rosto, quando saírem de casa.Em Melbourne, segunda cidade da Austrália, o uso da máscara é obrigatório a partir desta quinta-feira sob pena de multa, devido ao aumento de casos. 

Na Bélgica, o governo também ordenou seu uso em todos os lugares públicos, abertos ou fechados, que estiverem muito lotados.

A evolução da pandemia também é preocupante na África do Sul, o país mais atingido do continente africano, onde o número de mortes diárias aumenta e se aproxima de 500.

O país já contabilizou quase 6.000 mortes, segundo dados oficiais. Especialistas acreditam que esse balanço deveria ser corrigido, pois houve um aumento suspeito e incomum de 60% nas mortes por causas naturais nas últimas semanas, certamente ligadas ao coronavírus.

Veja também

Terremoto de 6,9 graus atinge oceano Atlântico perto de Fernando de Noronha
Fernando de Noronha

Terremoto de 6,9 graus atinge oceano Atlântico perto de Fernando de Noronha

Trump promete vacinas para todos os americanos em abril e Europa aumenta restrições
Coronavírus

Trump promete vacinas para todos os americanos em abril e Europa aumenta restrições