guerra

Papa se diz disposto a encontro com Putin e compara Ucrânia a Ruanda

Pontífice tem pedido incessantemente pelo fim da guerra na Ucrânia

Papa Francisco assegurou que está disposto a viajar a Moscou e se reunir com o presidente PutinPapa Francisco assegurou que está disposto a viajar a Moscou e se reunir com o presidente Putin - Foto: Vincenzo Pinto / AFP

O papa Francisco assegurou que está disposto a viajar para Moscou e se reunir com o presidente russo, Vladimir Putin, na tentativa de parar a guerra na Ucrânia, que comparou com a de Ruanda, na África.

"Tenho que ir a Moscou primeiro, tenho que me encontrar com Putin primeiro", disse o papa argentino ao jornal italiano Il Corriere della Sera em entrevista publicada nesta terça-feira (3). 

"Como é possível que não se detenha tanta brutalidade? Há vinte e cinco anos, com Ruanda, vivemos a mesma experiência", afirmou o papa, se referindo ao genocídio de Ruanda, em 1994, onde ocorreu a tentativa de extermínio da população tutsi por parte do governo hegemônico Hutu, em que 800 mil pessoas morreram, segundo números da ONU.

O sumo pontífice pede incessantemente desde 24 de fevereiro que a guerra no velho continente pare "com o pesar de quem vê nada acontecer", disse o diretor do jornal italiano, Luciano Fontana.

Francisco recordou que no "primeiro dia da guerra" falou por telefone com o presidente ucraniano Volodimir Zelensky e repetiu várias vezes durante a entrevista que estava visando ir para Moscou. 

"Em dezembrou falei com ele (Putin) em meu aniversário, mas desta vez não o chamei. Quis fazer um gesto claro que todo o mundo pudesse ver e por isso me dirigi ao embaixador russo. E pedi que me explicasse, lhes disse que parem por favor. Depois pedi ao cardeal (Pietro) Parolin, após vinte dias de guerra, que fizesse chegar uma mensagem a Putin de que estava disposto a ir em Moscou", afirmou. 

"Entretanto, não temos recebido resposta e seguimos insistindo, mesmo que Putin não possa ou nem queira realizar esse encontro no momento", comentou. 

O papa também refletiu sobre o fornecimento de armas por parte do ocidente para a resistência ucraniana, uma questão que divide opiniões no mundo católico.

"Não responderei à pergunta de se é correto abastecer os ucranianos, mas o que está claro nessa terra é que estão testando as armas. Os russos agora sabem que os tanques são pouco úteis e estão pensando em outras coisas. As guerras servem para isso: para testar as armas que fabricamos", afirmou.

Veja também

Secretaria da Mulher lança projeto Jornada dos Núcleos de Estudos de Gênero em escolas do Estado
Educação

Secretaria da Mulher lança projeto Jornada dos Núcleos de Estudos de Gênero em escolas do Estado

Pernambuco registra, nesta sexta (1ª), três mortes e 2.961 novos casos de Covid-19
coronavírus

Pernambuco registra, nesta sexta (1ª), três mortes e 2.961 novos casos de Covid-19