Para 75%, interesse de estrangeiros na Amazônia é legítimo

Dados foram revelados por pesquisa do instituto Datafolha

Queimadas continuam atingindo vegetaçãoQueimadas continuam atingindo vegetação - Foto: Mayke TOSCANO / AFP

Para 75% dos brasileiros, o interesse internacional na Amazônia é legítimo e a floresta está correndo riscos. A gestão de Jair Bolsonaro (PSL) no combate ao desmatamento e a queimadas, por sua vez, é vista como ruim ou péssima por 51%. Esses são alguns achados de pesquisa do Datafolha realizada nos dias 29 e 30 de agosto, uma semana após o início da crise envolvendo focos de incêndio descontrolados na região amazônica, que levou o Brasil a entrar em rota de colisão com países europeus, França em especial.

Foram ouvidas 2.878 pessoas com mais de 16 anos em 175 cidades brasileiras, e a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos. O envolvimento internacional na região, proposto pelo presidente francês, Emmanuel Macron, foi objeto de algumas das questões.

Além dos 3/4 que acham o interesse legítimo, 22% discordam dessa afirmação. Também consideram que outros países usam a crise ambiental como desculpa para explorar a Amazônia 61% dos ouvidos, ante 35% que discordam. Por outro lado, 66% dos entrevistados defendem que o Brasil aceite dinheiro estrangeiro para aplicar na região.

Ao longo da semana, França e outros países ofereceram ajuda financeira ao país, mas Bolsonaro rejeitou inicialmente -depois, insinuou que não aceitaria verba europeia, enquanto discutia cooperação com EUA e Israel, cujos governos o presidente considera aliados ideológicos.

Leia também:
Bolsonaro muda decreto e proíbe queimadas só na Amazônia Legal
Bolsonaro planeja pacote ambiental para a próxima semana
Projetos que visam aumentar proteção à Amazônia estão parados no Congresso

O viés nacionalista aparece quando a pergunta é sobre quem deve gerir a região. Para 40%, a Amazônia é responsabilidade do Brasil, como prega a política oficial do governo. Já 35% acham que o país é soberano lá, mas deveria ouvir outras nações.
Por fim, 22% dos entrevistados pelo Datafolha acham que uma gestão internacional, como sugeriu Macron, seria uma boa ideia.

O embate entre ele e Bolsonaro sobre a floresta chegou ao conhecimento de 60% dos entrevistados, enquanto 40% não ouviram falar do caso. O francês é visto como mais preparado para lidar com o problema (41% a 36%), mais preocupado com a Amazônia (44% a 30%) e mais equilibrado no encaminhamento de soluções para a região do que o brasileiro (44% a 32%).

Aprovam o combate ao desmate e a incêndios de Bolsonaro 25%, enquanto 21% veem a gestão como regular -além dos 51% que a reprovam e 3% que dizem não saber avaliar. Nesse item, Bolsonaro tem sua gestão mais criticada por jovens de 16 a 25 anos (60% de ruim/péssimo), pessoas com nível superior de escolaridade (56%) e mais ricos (entre aqueles com ganho mensal acima de dez salários mínimos, 55% reprovam sua atuação na área).

Durante a crise, países anunciaram que podem rever acordos comerciais como o firmado pelo Mercosul e a União Europeia neste ano. A percepção chegou ao público: para 64% dos entrevistados, o episódio pode retirar investimento estrangeiro do Brasil, enquanto 32% não acreditam nisso.

A agressividade empregada por Bolsonaro no trato da crise, notada especialmente em seu duelo verbal com Macron, pode ter o mesmo efeito de perda de investimentos para 69% dos brasileiros -27% não creem nessa possibilidade. O agronegócio, pintado por ambientalistas como grande vilão da destruição da Amazônia, é visto como preocupado com a questão por 48%, enquanto 46% discordam disso. Já 61% não acham que o setor precisa de mais espaço para se desenvolver, ante 35% que pensam o contrário.

A mudança de governo não influenciou tanto a cabeça do brasileiro quando o assunto é o impacto de políticas ambientais sobre o desenvolvimento econômico. Em 2018, o Datafolha havia feito essa pergunta e a resposta era que 59% descartavam esse efeito -agora, são 55%, um empate estatístico no limite da margem de erro.

Diferentemente de aferições sobre a popularidade de Bolsonaro, os dados da pesquisa apresentam homogeneidade em quesitos como distribuição regional. O Norte, área totalmente sob cobertura da Amazônia, só sai um pouco da curva quando o entrevistado responde acerca das intenções estrangeiras de explorar a região: 69% acham que há, ante 61% do cômputo geral.

A percepção de que o desmatamento está aumentando na Amazônia, conforme os dados oficiais do Inpe que Bolsonaro colocou em dúvida mostravam, é ampla: 71% dos ouvidos acham isso, enquanto 21% creem que a taxa está no mesmo ponto e 5% que veem queda na área afetada.

Disseram ao Datafolha terem visto fogo recentemente em área de reserva ambiental 37% dos entrevistados, ante 62% que não viram incêndios. O número de testemunhas, previsivelmente, aumenta nas regiões mais afetadas: no Norte, são 46% que viram e no Centro-Oeste, 47%.

O Datafolha também repetiu algumas questões que haviam sido feitas em maio de 2009, na gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A política ambiental do petista era vista como ótima ou boa por 20%, enquanto a de Bolsonaro assim o é por 21%. A diferença vem a seguir: 70% consideravam regular a de Lula, ante 28% que veem assim a do presidente atual. E 49% a rejeitam como ruim ou péssima a gestão hoje; eram 2% dez anos atrás.

A década que separa as pesquisas viu algumas mudanças de avaliação. Em 2009, 63% achavam que o governo federal era muito responsável pelo desmatamento amazônico. Agora, são 47% -e 17% hoje acham que não há responsabilidade alguma do Planalto, ante 7% há dez anos.

Caíram também a responsabilização de madeireiros (72% para 60%), fazendeiros (68% para 53%), índios (38% para 26%) e ONGs (40% para 31%), sendo os dois últimos grupos alvos usuais do discurso de Bolsonaro acerca de culpados pela crise ambiental.

Veja também

Tribunal que julga impeachment de Witzel ouvirá 29 testemunhas
Brasil

Tribunal que julga impeachment de Witzel ouvirá 29 testemunhas

Quase 90% do desmatamento da Amazônia em Mato Grosso nos últimos 12 anos foi ilegal
Meio ambiente

Quase 90% do desmatamento da Amazônia em MT nos últimos 12 anos foi ilegal