ONU

Para EUA, ONU não é lugar para reconhecer Estado palestino

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, resiste há décadas a um Estado palestino

EUA EUA  - Foto: Angela Weiss/AFP

Os Estados Unidos se opuseram, nesta quarta-feira (3), ao pedido palestino para se tornar membro de pleno de direito da ONU e ressaltaram que apoiam a criação de um Estado palestino, mas desde que se negocie diretamente com Israel.

"Apoiamos o estabelecimento de um Estado palestino independente", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller. "Isso é algo que tem que ser feito mediante negociações diretas entre as partes, algo que buscamos neste momento, e não na ONU", declarou, sem dizer se os Estados Unidos vetariam a candidatura caso chegue ao Conselho de Segurança.

Segundo Miller, o chefe da diplomacia, Antony Blinken, contribuiu para estabelecer "garantias de segurança" para Israel como parte do trabalho preliminar para um Estado palestino.

O governo do presidente Joe Biden apoia um Estado palestino, com uma Autoridade Palestina reformada no comando tanto na Cisjordânia quanto na Faixa de Gaza. Paralelamente, busca uma saída para a guerra naquele território.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, resiste há décadas a um Estado palestino e dirige um governo de extrema direita com membros hostis à Autoridade Palestina, que mantém uma autonomia limitada em partes da Cisjordânia.

A Autoridade Palestina enviou uma carta ao secretário-geral da ONU, António Guterres, na qual solicita que o Conselho de Segurança reconsidere em abril seu antigo pedido para se tornar um Estado. O presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, apresentou o pedido em 2011. Não foi considerado pelo Conselho de Segurança, mas a Assembleia Geral concedeu no ano seguinte o status de observador ao "Estado da Palestina".

Veja também

Explosões no Irã em possível ataque de represália de Israel
guerra no oriente médio

Explosões no Irã em possível ataque de represália de Israel

Chefe do Conselho Europeu corrige publicamente Trump por ajuda à Ucrânia
CONFLITO

Chefe do Conselho Europeu corrige publicamente Trump por ajuda à Ucrânia

Newsletter