Vida Plena

Para viver mais e melhor, bons hábitos devem ser cultivados durante toda a vida; veja as dicas

Longevidade saudável é fruto de uma visão holística do paciente

Desenvolvimento intelectual é fundamental para uma longevidade saudávelDesenvolvimento intelectual é fundamental para uma longevidade saudável - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

A expectativa de vida do brasileiro vem crescendo ano a ano. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os brasileiros vivem, em média, 76,8 anos, conforme os dados levantados em 2020. No entanto, o que as pessoas querem, além de viver mais, é viver melhor. Para isso, cultivar bons hábitos, ao longo da vida, é indispensável.

Quando uma pessoa chega na terceira idade, as atenções se voltam para aspectos da saúde óssea, função cognitiva, força muscular, controle da dor, controle da pressão arterial, glicemia, qualidade do sono e todas as outras funções essenciais para manutenção da saúde e qualidade de vida, mas também focando na promoção da autonomia e da independência funcional, conforme explica o geriatra Carlos Henrique Tavares, do Hospital Jayme da Fonte.

Folha de Pernambuco · 24.11.21 - Canal Saúde - Longevidade saudável: prepare-se para viver mais e melhor

"É fundamental não descuidar dos exames preventivos nessa fase, além de manter uma dieta equilibrada, dando prioridade a vegetais, frutas, grãos e fontes saudáveis de proteína; atingir uma prática constante de exercício físico; dormir bem; e manter um acompanhamento médico regular", afirmou.

Mente sã, corpo são

Especialista em Longevidade, a médica Diana Campos pontuou a importância das relações psíquicas para viver melhor. "As relações sociais, sobretudo as afetivas, não devem ser ignoradas ou descuidadas. Uma mente bem é capaz de manter um corpo bem", declarou a profissional.

Um outro ponto destacado por Diana é a espiritualidade. "A pessoa precisa se conectar consigo mesma e entender quais são suas vontades. Para isso, não existe idade. A resolução de conflitos internos proporciona uma paz interior, que aumenta a qualidade de vida", emendou a especialista em longevidade.

Josélia Bezerra de Almeida, 70, conta que aprendeu a se concentrar mais com os exercíciosJosélia Bezerra de Almeida, 70, conta que aprendeu a se concentrar mais com os exercícios | Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

E uma das formas de manter a mente bem é mantendo-a ocupada, fortalecendo as conexões intelectuais. A aposentada Josélia Bezerra de Almeida, de 70 anos, é uma viúva sem filhos. Ela participa de uma turma de desenvolvimento intelectual que se encontra semanalmente para realizar atividades de fortalecimento cerebral. "Isso aqui [encontro] me ajuda muito. Além de manter minha mente ocupada, sinto que desenvolvi habilidades, como concentração e foco, que me ajudaram a controlar meu instinto impulsivo. Aprendi a pensar antes de agir, e assim consigo desempenhar as tarefas muito melhor", relatou.

Desenvolvimento intelectual

A neuropsicopedagoga Andréa Negreiros explica como o desenvolvimento intelectual impacta positivamente na vida dos idososA neuropsicopedagoga Andréa Negreiros explica como o desenvolvimento intelectual impacta positivamente na vida dos idosos | Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

A neuropsicopedagoga Andréa Negreiros, que é a instrutora de Josélia na turma de desenvolvimento intelectual, menciona diversos métodos simples para exercitar a mente, como o ábaco, jogos de palavras, desafios numéricos, leituras, entre outros. "O idoso pode optar por uma atividade que lhe proporcione mais prazer, mas também é necessário ampliar o repertório de exercícios para a mente", disse. "Além da variedade, essas atividades devem ir aumentando de nível gradativamente", finaliza Negreiros.

Veja também

Após pressão de usuários, Twitter anuncia novo recurso para combater Fake News no Brasil
FAKE NEWS

Após pressão de usuários, Twitter anuncia novo recurso para combater Fake News no Brasil

Chile anuncia mudanças no isolamento e gestão da pandemia por variante ômicronVariante ômicron

Chile anuncia mudanças no isolamento e gestão da pandemia por variante ômicron