Paraense quer doar cabelos a Débora, vítima de escalpelamento

Emocionada com a história da pernambucana, pedagoga se dispôs a cortar cerca de um metro da sua cabeleira para a confecção de uma peruca

Paraense quer doar cabelos a DéboraParaense quer doar cabelos a Débora - Foto: Divulgação

Desde que soube da história da auxiliar de ensino Débora Esthefany Dantas de Oliveira, de 19 anos, que perdeu o couro cabeludo em acidente de kart, a pedagoga paraense Daiara dos Santos, 23, ficou tocada pelo ocorrido e imediatamente resolveu ajudar de alguma forma. Ao tomar conhecimento que Débora não terá mais cabelos naturais, Daiara não teve dúvida: logo se dispôs a cortar na altura dos ombros seus longos fios e doar à recifense para a confecção de uma peruca.

Moradora da cidade de Cachoeira do Piriá, no nordeste do Pará, a pedagoga disse que sempre gostou de ter cabelo grande e não corta os fios há cerca de cinco anos. Apegada à vasta cabeleira, Daiara está disposta a cortá-la e entregá-la para Débora. "Fiquei sabendo da história pelas redes sociais e logo me identifiquei, porque tenho o cabelo muito grande e imaginei o quanto é difícil para uma mulher ficar sem cabelos", comentou a paraense.

Leia também:
Jovem que sofreu acidente em kart grava vídeo de agradecimento
Grupo organiza vaquinha para ajudar jovem escalpelada por kart; saiba como doar


Daiara conta que quando teve a ideia pediu a opinião da família e teve o apoio de todos. "Todos ficaram emocionados com o caso de Débora e com minha atitude para ajudá-la. Desde o começo me apoiaram bastante e isso foi fundamental para eu continuar com a vontade de realizar esse sonho", disse. Segundo a pedagoga, a vontade de oferecer os próprios cabelos a Débora veio pela admiração da força da pernambucana. "Desde o começo ela sempre se mostrou uma jovem muito forte, determinada e otimista com a recuperação", falou.

O sonho de Daiara é conhecer a auxiliar de ensino pessoalmente e poder dar um abraço nela. "Quando esse momento chegar vou dizer que ela é o maior exemplo de bom coração que já vi. Vou falar que eu me inspiro todos os dias nela", diz. Contudo, ainda é cedo para a pernambucana usar prótese capilar, pois ainda está em fase de recuperação da área afetada no acidente, segundo o cirurgião plástico Olimpio Colichio Filho, diretor clínico do Hospital Especializado, onde a jovem está internada em Ribeirão Preto, São Paulo, desde o dia 18 deste mês.

"Enquanto isso eu não vou cortar meu cabelo. Continuarei tratando e cuidando para que ele cresça mais ainda e estejam prontos para quando chegar o momento que ela precisar deles", afirmou Daiara. Para se ter uma noção do tamanho da cabeleira, a paraense tem um metro e setenta e seis de altura, enquanto seus fios já chegam a um metro e passam do seu quadril. "Estamos vivendo em um país onde todo mundo só pensa em si e ninguém pensa mais no próximo. Além de ajudar Débora, espero que minha atitude sirva de exemplo para outras pessoas", disse.

De acordo com o noivo de Débora, o microempresário Eduardo Tumajan, Débora ficou feliz ao receber a notícia que alguém gostaria de doar cabelos para ela. "Por mais que no momento não estejamos focados nas questões estéticas, é reconfortante saber que existem pessoas boas querendo nos ajudar, mesmo estando tão longe. A atitude de Daiara com certeza será sempre lembrada por nós, e quem sabe realmente no futuro ela doa seus fios para Débora", disse.

Segundo o último boletim médico divulgado pelo Hospital Especializado, Débora foi submetida ontem a curativo, no Centro Cirúrgico, e segue em recuperação no quarto. Ela apresenta uma "excelente evolução clínica". A jovem deve receber alta médica em outubro. Conforme Eduardo Tumajan, ela deverá se mudar para São Paulo quando sair da unidade de saúde para continuar o tratamento. "Ela está bastante otimista com o andamento dos procedimentos. Todos os dias conversamos bastante e ele nunca desanima", disse.

Em publicação em seu perfil no Instagram, a auxiliar de ensino infantil Débora Dantas, de 19 anos, compartilhou um pouco da sua rotina de recuperação em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. "Sorrir para o mundo faz ele sorrir para você, seja sua felicidade e nunca desista dos seus sonhos. No final vai dar tudo certo", disse a jovem em uma foto na qual aparece maquiada e com os curativos na cabeça, segurando um picolé. "Um pedacinho do meu dia a dia para vocês", continuou a auxiliar de ensino infantil.

Veja também

Pesquisa: cepa do Amazonas do coronavírus gera mais carga viral
Pandemia

Pesquisa: cepa do Amazonas do coronavírus gera mais carga viral

IFA para produzir 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio
Vacinação

IFA para produzir 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio