Paraguai aguarda redução da onda de infecções no Brasil para reabrir fronteira

'Situação no Brasil é caótica', para as autoridades sanitárias paraguaias

País vizinho teme infecções causadas pelo BrasilPaís vizinho teme infecções causadas pelo Brasil - Foto: Norberto Duarte/AFP

O Paraguai continuará esperando uma redução da onda de infecções pelo novo coronavírus no Brasil para reabrir sua fronteira, apesar da forte pressão dos comerciantes, que registram um prejuízo milionário, anunciou uma autoridade sanitária nesta sexta-feira.

"A situação no Brasil é caótica. Estamos firmes nisso. Iremos esperar que a onda passe no Brasil para começar a falar em reabertura da fronteira", disse Guillermo Sequera, médico responsável pela Direção de Vigilância da Saúde.

Leia também:
Ministro do TCU cogita divulgar balanço diário da Covid-19 em resposta a atrasos
Bolsonaro defende fronteiras abertas com Paraguai, mas Abdo nega por medo da Covid-19


"Depende muito do que Foz do Iguaçu fizer", indicou Sequera. "Nós nos cuidamos em relação a São Paulo e Rio de Janeiro e eles (de Foz) não interromperam sua mobilidade (com estas duas cidades). Se continuam abertos, a recomendação é não abrir a fronteira", assinalou.

O Brasil superou na sexta-feira (5) 35 mil mortos pela pandemia de Covid-19 e, em 24 horas, registrou mais de 1 mil mortes, enquanto o número de infectados chegou a 645 mil. O Paraguai soma 1.087 casos e 11 mortos.

"Se Foz se blindar e quiser trabalhar diretamente com Ciudad del Este, pode-se pensar em uma reabertura, mas entendo que o negócio fronteiriço não será depois com Foz, e sim com São Paulo", comentou Sequera.

O Brasil "é como estar ao lado de uma bomba-relógio. Também há muitos casos na Bolívia. No momento, estamos como em uma bolha, protegidos por alguma coisa. As medidas (do protocolo sanitário) continuam funcionando por sorte", assinalou o infectologista Eugenio Báez ao jornal "ABC".

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Projeto doa próteses auditivas a pessoas em situação de vulnerabilidade em Paulista
RMR

Projeto doa próteses auditivas a pessoas em situação de vulnerabilidade em Paulista

Adolescentes entre 12 a 17 anos serão incluídos na vacinação contra Covid-19, anuncia ministro
Imunização

Adolescentes entre 12 a 17 anos serão incluídos na vacinação contra Covid-19, anuncia ministro