Paraguai já não tem pacientes na UTI por coronavírus

No total, o Paraguai tem 239 infectados e 9 mortos pela covid-19.

Homem na rua em época de quarentena pelo coronavírus no ParaguaiHomem na rua em época de quarentena pelo coronavírus no Paraguai - Foto: NORBERTO DUARTE / AFP

O Paraguai já não tem pacientes com a covid-19 em unidades de terapia intensiva, anunciou o presidente Mario Abdo Benítez nesta quarta-feira, em entrevista coletiva.

"Podemos dizer que hoje não temos uma só pessoa em terapia intensiva" devido ao novo coronavírus, declarou Abdo ao lançar uma plataforma virtual na qual a população poderá controlar o destino das verbas destinadas ao combate à pandemia.

No total, o Paraguai tem 239 infectados e 9 mortos pela covid-19.

Leia também:
Brasil registra 78.162 casos de coronavírus; número de mortes chega a 5.466
Paraguai adia aulas presenciais até dezembro


Abdo disse que a redução dos casos é consequência direta da drástica decisão adotada no dia 10 de março de decretar uma quarentena obrigatória e paralisar as atividades não essenciais, três dias após o registro do primeiro caso no país, "antes mesmo das medidas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde".

"Estamos bem e vamos ficar melhor", afirmou o presidente.

A partir de 4 de maio o Paraguai adotará a chamada "quarentena inteligente", um retorno gradual às atividades de trabalho e lazer com medidas de distanciamento social e higiene.

Mas o governo decidiu manter o fechamento das fronteiras e implementar o ensino a distância até o mês de dezembro.

A quarentena obrigatória, que será mantida até o próximo domingo, só permite sair de casa para ir a mercados, farmácias e bancos.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Bolsonaro diz que só toma vacina aceita na Europa e nos EUA e exclui modelo 'lá de São Paulo'
Presidente

Bolsonaro diz que só toma vacina aceita na Europa e nos EUA e exclui modelo 'lá de São Paulo'

TSE pede ao Supremo acesso aos inquéritos das fake news e dos atos antidemocráticos
Justiça

TSE pede ao Supremo acesso aos inquéritos das fake news e dos atos antidemocráticos