Paralisação de petroleiros é política e sem reivindicação, diz Pedro Parente

Pedro Parente disse que foi encaminhada nessa segunda uma carta aos funcionários da Petrobras, alertando sobre os riscos de uma paralisação para o país e a sociedade

Pedro ParentePedro Parente - Foto: Arquivo

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, classificou nesta terça-feira (29) como “política” a paralisação de 72 horas dos petroleiros, anunciada para esta quarta-feira (30). Parente disse que o movimento não apresentou uma pauta reivindicatória e que houve um acordo, no ano passado, com vigência de 24 meses, incluindo reajuste salarial.

Leia também
Parente diz que política de preços da Petrobras será mantida
Ciro diz que a política de preços de Temer e de Parente é uma fraude
Petrobras e AGU querem que TST julgue greve de petroleiros ilegal


“Houve uma convocação de greve por parte de alguns sindicatos para três dias a partir desta quarta-feira. Não existe pauta reivindicatória porque a pauta reivindicatória é muito mais de natureza política do que propriamente uma pauta de caráter de vantagens incluindo remuneração”, afirmou Parente, ao participar de uma teleconferência com investidores e analistas de bancos.

Carta
Pedro Parente disse que foi encaminhada nessa segunda (28) uma carta aos funcionários da Petrobras, alertando sobre os riscos de uma paralisação para o país e a sociedade. “Fizemos uma carta de toda a diretoria a toda a nossa força de trabalho, que é uma força de trabalho, que tem operado nessa situação de crise com extrema dedicação engajamento e visão da relevância de preservarmos e minimizarmos os riscos para a operação da empresa”, disse.

Paralelamente, Parente afirmou que a Petrobras intensificou a comunicação com os empregados para evitar eventuais prejuízos, se a paralisação for deflagrada: “Confiamos que nossos colaboradores entendam o momento que estamos vivendo e esperamos, é nosso desejo, que de fato a gente possa passar por isso sem maiores consequências para a operação da empresa

Advertência
A Federação Única dos Petroleiros (FUP) disse que a paralisação é uma advertência em defesa da redução dos preços do gás de cozinha e dos combustíveis. Também há críticas à gestão de Pedro Parente na Petrobras. A entidade destacou que a advertência é uma etapa das mobilizações que os petroleiros, decisão aprovada em âmbito nacional.

Na tarde de hoje seis entidades sindicais anunciaram apoio à paralisação dos petroleiros: Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Força Sindical, a União Geral dos Trabalhadores (UGT), a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), a Nova Central e a Central dos Sindicatos do Brasil (CSB).

Veja também

Acervo da Uerj ganha dois fósseis de nova espécie de crocodiliformes
Ciência

Acervo da Uerj ganha dois fósseis de nova espécie de crocodiliformes

Leitura pode reduzir a pena na prisão, mas ainda há desafios
Educação

Leitura pode reduzir a pena na prisão, mas ainda há desafios