Parapan: pernambucanos ajudam a alavancar Brasil

Atletas contribuíram para o País ampliar liderança no ranking de pódios, que tem EUA em 2º e México em 3º

Phelipe conquista a segunda medalha de ouro na competiçãoPhelipe conquista a segunda medalha de ouro na competição - Foto: Ale Cabral/CPB

Pernambuco viveu mais um dia dourado nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, no Peru, nesta segunda-feira, terceiro dia de competições. Três atletas do Estado contribuíram com dois ouros e um bronze para o Brasil no quadro geral de medalhas, liderado com folga pelo País. Até a conclusão deste texto, os brasileiros haviam somado 108 medalhas, sendo 35 de ouro, 35 de prata e 38 de bronze. Em segundo lugar aparece os Estado Unidos, com 28 ouros, 21 pratas e 22 bronzes (71 pódios no total), seguido pelo México, dono de 25 ouros, 20 pratas e 18 bronzes.

Após conquistar o título dos 100 metros livre da classe S10 no domingo, o pernambucano Phelipe Andrews Rodrigues voltou ao topo do pódio da natação nesta segunda-feira. Dessa vez, brilhou na prova dos 200 metros medley pela mesma classe. O atleta, que ainda nadará outras seis provas, confessou que tinha gás para um desempenho até melhor do que os 2min25s45 anotados, mas preferiu se poupar para evitar um desgaste durante o evento. É que Phelipe nadará ainda os 100 metros costas, prova que acontece nesta terça-feira, às 20h25, os 50 metros livre, os 100 metros borboleta e os 400 metros livre, além de dois revezamentos.

Leia também:
Phelipe Rodrigues fatura o segundo ouro no Parapan
Brasil começa voando baixo no Parapan de Lima

Quem também cai na piscina de Lima nesta segunda-feira é a recifense Maria Carolina Santiago. Enquanto Phelipe é, aos 29 anos, um veterano no evento, com sete ouros e quatro pratas na carreira, Carolina, aos 33, faz a sua estreia. Portadora da síndrome de Morning Glory, uma anomalia congênita rara no nervo óptico, ela só enxerga vultos com o olho esquerdo e não tem visão periférica no olho direito, apenas focal. A estreia dela, que conheceu o universo do desporto paralímpico apenas nesta temporada, será nos 100 metros costas da classe S12. Nos próximos dias, ela competirá também os 400 metros livre na S13, e os 50 metros e 100 metros livre na S12. Carolina é considerada uma das apostas de pódio da delegação brasileira no evento.

O outros pernambucano a conquistar medalha de ouro no Parapan de Lima foi Agnaldo Francisco da Silva, nos 100 metros T13 do atletismo. Natural de Serrita, no Sertão de Pernambuco, ele marcou 11s37 e desbancou o jamaicano Chadwick Campbell (11s66) e o hondurenho Elvin David Castellanos (12s69). Nos 100 metros feminino, classe T38, Jenifer Martins faturou bronze com o tempo de 14s61. A prova teve dobradinha mexicana no lugares mais alto do pódio: Lucia Fernanda Muro (14s33) e Karla Sofia Cardenas (14s38).

Veja também

Mulher negra é nomeada para principal cargo da polícia de Nova York
internacional

Mulher negra é nomeada para principal cargo da polícia de Nova York

'Não há tendência clara de aumento de casos ou de segunda onda', reafirma Longo
Coronavírus

'Não há tendência clara de aumento de casos ou de segunda onda', reafirma Longo