A-A+

Partidos não podem obrigar mulheres a disputar eleições

Não se pode obrigar as mulheres a se candidatar sem elas quererem

Inaldo SampaioInaldo Sampaio - Foto: Colunista

A nova presidente do TSE, ministra Rosa Weber, queixou-se ontem da baixa representação das mulheres nas casas legislativas do país. Ela constata, com razão, que as mulheres representam 52% dos eleitores do Brasil, mas não estão representadas na mesmo proporção no Congresso Nacional e nas Assembleias Legislativas. A constatação é verdadeira. Mas de quem é a culpa por essa subrepresentação? Claro que das próprias mulheres, que não costumam votar em candidatas do sexo feminino, e sim nos homens. Aqui em Pernambuco, por exemplo, há um partido político (PSOL) que lançou uma chapa majoritária só com mulheres - governador, vice e os dois senadores. Mas esperemos o resultado da eleição para conferir se esta chapa feminina sensibilizou as mulheres pernambucanas. De forma irracional, o Congresso aprovou uma lei obrigando os partidos políticos a formaram suas chapas com 30% de mulheres. Mas nenhum deles consegue arregimentar esse percentual de candidatas por desinteresse delas próprias, obrigando os partidos a cumprirem a lei com “candidatas-laranja”. Há um partido na coligação de Armando Monteiro cujo presidente em 2014 fechou a chapa proporcional com várias mulheres, que nada têm a ver com a política, só para atender à exigência legal. Isto se repetiu agora em 2018, pois não se deve obrigar mulheres a se candidatar sem elas quererem.

Foi-se uma das baraúnas do Pajeú
O ex-deputado Antonio Mariano, que morreu ontem no Recife, foi um dos representantes do Pajeú, na Assembleia Legislativa, na mesma legislatura em que também se elegeram Édson Moura e José Marcos de Lima. O 1º era de Afogados da Ingazeira, o 2º de Tabira e o 3º de São José do Egito. Hoje, o Pajeú não tem nenhum representante no parlamento estadual.

Bom trabalho > Paulo Câmara disse ontem à Rádio Folha que não pretende exonerar o secretário de Agricultura, Wellington Batista, indicado pelo PDT, porque está gostando do trabalho dele. E que o PDT só não está na Frente Popular porque Carlos Lupi exigiu que saísse.

O pontapé > Marina chega hoje ao Recife para participar de uma série de eventos com o ex-prefeito Júlio Lossio, candidato da Rede a governador. A ex-senadora venceu a eleição em Pernambuco em 2014, no 1º turno, disputando pelo PSB, que vai apoiar Fernando Haddad (PT).

A decisão > Têm sido muito concorridos os eventos que Paulo Câmara (PSB) e Armando Monteiro (PTB) fizeram até agora no interior. Com raras exceções, um tem uma banda do município e o outro tem a outra, donde se deduz que a eleição será decidida no Recife.

A carta > O ex-governador Joaquim Francisco (PSDB) está enviando carta aos amigos recomendado as candidaturas de André Régis (PSDB) para deputado federal e de Priscila Krause (DEM) para deputada estadual. Ele seria candidato a federal, mas desistiu.

A herança > Os principais incentivadores da candidatura de Marília Arraes (PT) ao governo estadual, enquanto ela existiu, estão apoiando Sílvio Costa (Avante) para senador, entre eles o prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque e o presidente da Fetape, Doriel Barros, ambos do PT.

Veja também

Dia Mundial do Doador de Medula Óssea muda cores do Congresso Nacional
Doador de Medula

Dia Mundial do Doador de Medula Óssea muda cores do Congresso Nacional

Portugal reconhece certificados de vacinação emitidos pelo Brasil
Coronavírus

Portugal reconhece certificados de vacinação emitidos pelo Brasil