A-A+

Passageiros criam grupos de WhatsApp para trocar informações sobre ônibus

Sem informações sobre coletivos que se atrasam ou lotam rapidamente, usuários se juntam e montam grupos para saber a hora de sair de casa

Whatsapp para linhas de ônibusWhatsapp para linhas de ônibus - Foto: Léo Malafaia/Folha de Pernambuco

A dificuldade em andar de ônibus na Região Metropolitana do Recife (RMR) levou usuários do transporte público a se mobilizarem e usarem as redes sociais para trocar informações. O assunto rapidamente viralizou na internet depois que passageiros do Rio Doce/CDU, que circula entre Olinda e a capital pernambucana, criaram um grupo no WhatsApp.

A descrição informa que o espaço deve ser usado exclusivamente para mensagens sobre a linha. Ainda de acordo com a legenda, os usuários podem trocar informações como o local onde o ônibus se encontra, se tem mais de um coletivo no trajeto e se há lugar disponível para sentar. Esta mesma iniciativa já foi vista em outras cidades, como Rio de Janeiro e Porto Alegre.

Desde a última sexta-feira, começaram a surgir inúmeros grupos de passageiros, atendendo às mais diversas linhas do Grande Recife. A reportagem da Folha de Pernambuco identificou no mínimo 12 grupos, entre eles o Casa Amarela (Cabugá), Barro/Macaxeira e CDU/Torrões.

Leia também:
Olinda terá ar-condicionado em ônibus; testes começam em 15 dias
Ônibus cai em buraco na av. Mascarenhas de Morais, no Recife

Com a comunicação direta, os usuários afirmam ter evitado atrasos e pensam em adicionar os motoristas e cobradores das linhas. Entre as regras básicas do grupo está "compartilhar a localização de celular e número do ônibus assim que subir", a proposta é falar exclusivamente de assuntos ligados ao trajeto percorrido pelos coletivos. Apesar do pouco tempo de criação, as pessoas parecem engajadas.

Moradora da Madalena, Zona Norte, a estudante de Odontologia Ana Luíza Lima, de 21 anos, criou o grupo do Rio Doce/CDU. Ela conta que usa a linha desde 2009, quando começou a estudar no Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

"Os ônibus sempre demoraram a passar, mas a cada ano parece que piora. A gente, que é brasileiro, vai se virando como pode. Mas é uma vergonha porque a gente paga um preço muito caro pela passagem e temos um sistema precário", avalia a jovem, acrescentando que já passou mais de uma hora esperando o coletivo desta linha passar na parada.

"Ficou mais fácil saber os horários que os ônibus vão passar em certos locais, pois nem sempre o aplicativo CittaMobi acerta a hora. Além disso, a gente já sabe se terá lugar vago. Isso ajuda, principalmente quem está com mochila, livro."

Uma das integrantes é a marmiteira Edna Lourenço, 60, moradora da Quinta Etapa de Rio Doce. Ela conta que na última terça-feira perdeu uma consulta médica no Hospital Barão de Lucena porque o coletivo demorou mais que o previsto para sair do terminal.

"O atendimento estava marcado desde janeiro. Como não cheguei a tempo, eles remarcaram, mas para o dia 20 de dezembro. Com a criação deste grupo, acredito que situações como esta não voltarão a acontecer, pois temos uma grande troca de informação sobre os ônibus", aposta.

De acordo com o Grande Recife Consórcio de Transporte, a programação das linhas começa com uma pesquisa na área onde os coletivos vão trafegar. Nesta pesquisa é identificado o quantitativo de passageiros e o horário de maior demanda. Assim, são determinados o quantitativo de veículos e as viagens a realizar. Quando são identificadas muitas reclamações sobre o atraso de determinada linha, a fiscalização faz um trabalho de modo a identificar o problema.

Às vezes, é necessário um ajuste na programação de viagens. Por isso é importante o usuário sempre informar ao órgão gestor os problemas existentes, através da central de atendimento ao cliente (0800 081 0156), no WhatsApp (99488.3999) ou ainda na ouvidoria (3182.5512). Assim, o Consórcio consegue determinar o quantitativo de veículos e as viagens a serem realizadas. Quando muitas reclamações de atraso são registradas, a fiscalização procura identificar o problema. Às vezes é necessário um ajuste na programação de viagens.

Veja também

Portugal não aceita certificado de vacinação do Brasil, diz embaixador
Brasil e Portugal

Portugal não aceita certificado de vacinação do Brasil, diz embaixador

Inmet prevê chuvas e temperaturas irregulares devido a La Niña
Clima

Inmet prevê chuvas e temperaturas irregulares devido a La Niña