Patinetes e bicicletas da Yellow deixam de operar no Recife

Veículos chegaram à cidade em 13 de fevereiro e saem de operação em razão de uma reestruturação da empresa após fusão

Patinetes elétricos entraram em operação no Recife em fevereiroPatinetes elétricos entraram em operação no Recife em fevereiro - Foto: Léo Malafaia/Folha de Pernambuco

Chegou ao fim após pouco mais de cinco meses no Recife a operação das bicicletas compartilhadas sem estação (dockless) e patinetes elétricos da Yellow. A informação foi confirmada à Folha de Pernambuco pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (SDECTI) da capital pernambucana. 

A suspensão das atividades, segundo a secretaria, se deu em razão de uma reestruturação da empresa após fusão comercial com a Grin, maior empresa de patinetes elétricos da América Latina. A junção entre as plataformas deu origem à holding Grow. Os veículos chegaram à cidade em 13 de fevereiro com atuação no Centro e na Zona Sul em meio a polêmicas sobre regulamentação e acidentes.

Leia também:
Uso de patinetes elétricos alerta para segurança e regulamentação
Carro atropela homem em patinete e foge sem prestar socorro em SP

A empresa comunicou a suspensão das atividades à Prefeitura do Recife na última segunda-feira (29) segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Recife, Guilherme Calheiros. “Ficamos tristes porque sabemos da importância desses modais, principalmente os não motorizados, que ajudem a criar outras formas de se locomover na cidade e diminuir o trânsito”, disse o gestor. Segundo a Yellow, ainda não há previsão de que outras cidades do País deixem de receber o serviço.

Na época do lançamento no Recife, o aluguel das bicicletas custava R$ 1,50 a cada 15 minutos, já o dos patinetes era de R$ 3,00 o desbloqueio mais R$ 0,50 o minuto. Em 5 de julho, no entanto, a Yellow reduziu os preços para tentar otimizar as corridas na cidade, e o uso do patinetes elétricos ficou 50% mais barato. A medida, afirmou a empresa na época, era por tempo indeterminado. Uma portaria da Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano (Semoc) do Recife baixada no início de abril havia estabelecido critérios para o licenciamento das operadoras de serviços similares.

Ainda segundo Guilherme, não existe nenhuma conversa formalizada com outras empresas interessadas em oferecer o serviço na capital pernambucana. “Temos conversas com diversas, mas não formalizadas. Por enquanto, são tentativas de entendimento de como a prefeitura pode ajudar”, acrescentou. Não há previsão para o início das operações das bikes e patinetes da Grow no Recife.

Sistema de compartilhamento de bicicletas e patinetes elétricos chega ao Recife

Sistema de compartilhamento de bicicletas e patinetes elétricos chegou ao Recife em fevereiro - Foto: Léo Malafaia/Folha de Pernambuco

Para o coordenador da Associação Metropolitana de Ciclistas do Recife (Ameciclo), Daniel Valença, a cidade ainda não oferece estrutura e segurança necessárias para a boa operação desses modais. “O que reflete esse fim é a demonstração de que uma política de estímulo que deveria ser valorizada e melhorada acaba se demonstrando fracassada”, disse.

Para Daniel, o uso da bicicleta ainda é tratado à mercê de uma empresa privada e não de uma política de estado que estimule a bicicleta como modo de transporte. “A condição de uso dos modos de bicicleta e patinete continua a mesma. A gente continua com pouquíssimas ciclovias na cidade, com o Plano Diretor Cicloviário atrasado e sem oferecer segurança para o ciclista”, acrescentou o coordenador da entidade.

Em nota enviada à Folha de Pernambuco, a Yellow informou que, as operações foram encerradas por razões técnicas e operacionais, que "tornaram a atuação da empresa inviável economicamente". "Foi uma decisão dolorosa para todos nós, mas que esperamos reverter no futuro. Nosso agradecimento especial aos colaboradores que estiveram conosco ao longo desse período - para quem, inclusive, estamos buscando recolocação imediata no mercado de trabalho", disse a empresa no texto.

Ainda segundo a empresa, os usuários que tiverem adquirido créditos não utilizados terão os valores estornados via cartão de crédito. Já os pontos de venda e usuários que não possuem cartão devem entrar em contato com o suporte da empresa para que os valores sejam transferidos.

Fusão com a Grin
Em janeiro, a Yellow anunciou fusão comercial com a Grin, maior empresa de patinetes elétricos da América Latina. A junção deu origem à Grow Mobility Inc., que conta com mais de 135 mil patinetes e bikes em 23 cidades de sete países. Até junho, foram contabilizadas 10 milhões de viagens nas duas plataformas. Recentemente, a Grow anunciou que passará a fabricar seus patinetes e bicicletas elétricas na Zona Franca de Manaus, no Amazonas. Para isso, a empresa investirá R$ 25 milhões em uma nova fábrica instalada no local.

 Na Cidade do México, a Grin também deixou de operar por tempo indeterminado desde essa terça-feira (30) após o roubo de seus equipamentos, segundo comunicado publicado pela empresa no Twitter. “Centenas de pessoas farão ajustes para melhorar o serviço, migrarão sistemas, somarão uma nova solução de micromobilidade, mas, sobretudo, desenvolverão esquemas de colaboração com as autoridades para prevenir o roubo dos nossos patinetes”, indicou a empresa no texto.

Esta reportagem foi atualizada às 12h52 de 1º/08/2019 para acréscimo da nota enviada pela Yellow 

Veja também

Aumento de indicadores da Covid-19 leva Jaboatão a suspender retorno de aulas para educação infantil
Coronavírus

Aumento de indicadores da Covid-19 leva Jaboatão a suspender retorno de aulas para educação infantil

Pela última vez, Trump perdoa peru pelo Dia de Ação de Graças
EUA

Pela última vez, Trump perdoa peru pelo Dia de Ação de Graças