Patricia Marx diz que não vai mais falar sobre os abusos sexuais

Cantora publicou nota comentando polêmica em torno de suas revelações

TRE-PETRE-PE - Foto: Divulgação

Patricia Marx, que viu seu nome estampar os noticiários dos famosos nos últimos dias, pediu respeito à mídia sobre o abusos sexuais que sofreu na infância. Recentemente, a cantora revelou ter sido vítima de assédio na época do Trem da Alegria, quando era criança. "Eu tive assédio. Assédio de produtores, assédio de adultos, assédio de diretores de gravadora, de artistas. As pessoas queriam me tocar, me beijar, algumas me beijaram a força. Falaram coisas chulas para mim: 'Senta no meu colo, me dá um beijinho, deixa eu beijar você'. Coisas que são invasões do seu corpo e sem permissão. Sofri assédio de políticos e apresentadores de televisão", contou ao programa “Domingo Show”, da Record.

Desde então, várias espelações têm sido feitas pela mídia sobre os supostos abusadores, o que motivou a cantora a publicar nota, assinada pelo escritor e jornalista Roberto Rodrigues, que está escrevendo um livro sobre a carreira de Patrícia. “Em nenhum momento queremos transformar um momento doloroso na vida de uma das maiores cantoras do Brasil em sensacionalismo e especulações em relação aos nomes dos assediadores, queremos sim, abrir discussão sobre o tema, fazer alerta aos pais de jovens aspirantes ao sucesso e junto aos orgãos públicos fazer campanhas em relação ao assunto, afinal nosso país é um dos recordistas em casos de pedofilia e prostituição infantil.”, diz a nota. Veja abaixo na íntegra!

COMUNICADO

"Fomos surpreendidos com a avalanche de notícias falando sobre o livro que estou escrevendo com a cantora Patricia Marx, alegando inverdades em relação ao conteúdo, alimentando a indústria da fofoca e prejudicando a artista nessa exposição desnecessária.

Quando decidimos escrever esse livro, o objetivo principal era relatar a carreira bem sucedida de uma cantora que começou a carreira aos 5 anos de idade, virou febre nacional ao integrar o Grupo Trem da Alegria e em sua carreira solo que lhe valeu grandes prêmios, sucessos em trilhas de novelas com muito êxito e virou referência de uma década.

O livro também abordará situações desagradáveis mas muito verdadeiras como assédio sexual, perda da infância e depresssão.

O assunto "assédio sexual" foi comentado em diversos veículos em matérias para a revista Veja e os programas Amaury Jr. e Domingo Show, apresentado por Geraldo Luiz na TV Record.

Em nenhum momento, queremos transformar um momento doloroso na vida de uma das maiores cantoras do Brasil em sensacionalismo e especulações em relação aos nomes dos assediadores, queremos sim, abrir discussão sobre o tema, fazer alerta aos pais de jovens aspirantes ao sucesso e junto aos orgãos públicos fazer campanhas em relação ao assunto, afinal nosso país é um dos recordistas em casos de pedofilia e prostituição infantil.

Não temos a necessidade de usar um assunto tão grave em oportunidade de mídia para a cantora ou prejudicar a vida dessas pessoas oportunistas que abusam do poder em cima do sonho de jovens e crianças.

Peço que respeitem o momento da cantora, que a partir desse momento não falará mais sobre o assunto a nenhum veículo de comunicação, seja em matérias jornalísticas ou especulativas e quem quiser saber mais sobre o assunto, deverá aguardar o lançamento da publicação no próximo ano.

Me coloco inteiramente à disposição de vocês, caso tenham alguma dúvida."

Roberto Rodrigues 

 

Veja também

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam
EUA

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU
EM EVENTO NO RECIFE

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU