Pedro Eurico avalia aluguel de scanners e tornozeleiras

O secretário declarou, ainda, que é preciso fomentar o setor em Pernambuco

Durante a saída temporária os presos serão monitorados por tornozeleira eletrônicaDurante a saída temporária os presos serão monitorados por tornozeleira eletrônica - Foto: RAFAEL FURTADO.//Arquivo Folha

 

Mesmo investir em scanners corporais e tornozeleiras eletrônicas, como Pernambuco pretende fazer nos próximos meses, também não é tarefa tão simples. Por não terem variedade de fabricantes no mercado, os equipamentos são caros, conforme declarou o secretário estadual de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, na ultima quinta-feira (19), em entrevista à TV Globo.

O gestor falou do problema na reunião da qual participou, na terça-feira passada, com outros secretários estaduais e o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes. Eurico disse acreditar que o melhor cenário seria alugar os scanners, em vez de comprá-los, para garantir que serviços agregados, como os de manutenção, também possam ser custeados.

“Devemos adotar um sistema que garanta o aparelho e todos os serviços”, afirmou. “Além disso, surgem tecnologias novas a cada ano”, acrescentou. O secretário declarou, ainda, que é preciso fomentar o setor em Pernambuco, cuja capital funciona como o maior polo tecnológico do Brasil. “Conversei com o pessoal do polo tecnológico para incentivar a instalação de empresas desse setor”, informou.

Ao todo, R$ 44,7 milhões foram repassados a Pernambuco pelo Governo Federal. Além do que será investido em equipamentos para a melhoria da segurança nas unidades e para o monitoramento eletrônico de detentos que puderem sair das cadeias, R$ 20 milhões serão aplicados na construção de duas unidades do Centro Integrado de Ressocialização de Itaquitinga, na Mata Norte, e mais R$ 12 milhões numa unidade de segurança máxima. O Governo ainda pleiteia um dos cinco presídios federais anunciados pelo Governo Federal.

 

Veja também

Jairinho foi a festa de irmã após morte de Henry e 'clima era pesado', diz ex
Caso Henry Borel

Jairinho foi a festa de irmã após morte de Henry e 'clima era pesado', diz ex

Covid-19: Brasil tem 13,4 milhões de casos acumulados e 353,1 mil mortes
Pandemia

Covid-19: Brasil tem 13,4 milhões de casos acumulados e 353,1 mil mortes