Reino Unido

Pela primeira vez, uma ministra britânica tira licença-maternidade

Suella Braverman, de 40 anos, será substituída durante seis meses por um de seus adjuntos

Ministra britânica Suella BravermanMinistra britânica Suella Braverman - Foto: Tolga Akmen/AFP

A ministra Suella Braverman se tornou, nesta terça-feira (2), o primeiro membro de um governo britânico que pode tirar uma licença-maternidade conservando seu cargo, após a entrada em vigor de uma nova lei. 

Braveman, de 40 anos, será substituida durante seis meses por um de seus adjuntos, enquanto continua recebendo seu salário como procuradora-geral, cargo ministerial que aconselha o Executivo em questões jurídicas. 

Grávida de seu segundo filho, a ministra expressou em um vídeo no Twitter seu entusiasmo por "fazer parte da história".

Celebrando este "momento decisivo" para o país, ela afirmou que está mandando uma mensagem "para as mulheres jovens que querem fazer carreira na política". 

O primeiro-ministro Boris Johnson enviou "muitas felicidades para sua licença-maternidade e espero vê-la no outono", segundo um comunicado de Downing Street. 

A lei anterior, "obsoleta" segundo admitiu o Executivo, obrigava as mulheres a renunciar ao cargo se desejassem tirar uma licença-maternidade após o nascimento de seu bebê. 

Questionado sobre se a nova legislação poderia ser aplicada a uma futura primeira-ministra, um porta-voz de Downing Street afirmou em fevereiro que "será aplicada a qualquer uma que esteja no governo".  

"É chocante que as ministras ao longo da história tenham sido obrigadas a renunciar ou serem prejudicadas quando decidiam ter filhos", criticou então a trabalhista Rachel Reeves. "As mulheres trabalhadoras não deveriam ser forçadas a escolher entre ter filhos e suas carreiras", disse.

Veja também

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma
Graduação

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma

Estudos afirmam que variante britânica do coronavírus não aumenta a gravidade da doença
Pandemia

Estudos afirmam que variante britânica do coronavírus não aumenta a gravidade da doença