INTERNACIONAL

Pentágono quer reforçar segurança após vazamento de documentos secretos

Uma auditoria que examinou os procedimentos no departamento por um mês e meio

Pentágono  é a sede do Departamento de Defesa dos Estados UnidosPentágono é a sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos - Foto: Reprodução/Internet

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, ordenou medidas para aumentar a segurança, após a descoberta, meses atrás, de um vazamento de documentos altamente confidenciais, informou o Pentágono nesta quarta-feira (5).

Uma auditoria que examinou os procedimentos no departamento por um mês e meio "identificou áreas em que podemos e devemos melhorar as medidas de responsabilização, para evitar colocar em risco as informações classificadas de segurança nacional, incluindo lidar com ameaças internas", escreveu Austin em memorando publicado pelo Pentágono.

Como resultado, Austin pretende estabelecer um órgão chamado Escritório de Gestão Conjunta de Ameaças Internas e Capacidades Cibernéticas, para "melhorar a supervisão das ameaças em todas as redes" do Pentágono. Ele também quer "melhorar imediatamente a responsabilização e o controle das informações altamente secretas" e aumentar a segurança dos "dados classificados" do Departamento de Defesa.

Jack Teixeira, um recruta de 21 anos da Guarda Aérea Nacional, foi preso em abril, acusado de divulgar documentos confidenciais na internet, especialmente sobre a guerra na Ucrânia.

O caso gerou constrangimento em Washington e levantou dúvidas sobre possíveis falhas de segurança, já que o jovem militar tinha autorização secreta para acessar informações sensíveis, apesar de sua baixa patente.

Teixeira se declarou inocente das seis acusações de posse e divulgação de informações relacionadas à defesa nacional. Ele pode pegar até 10 anos de prisão por cada uma das acusações.

 

Veja também

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29
COP29

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29

FMI aprova desembolso de US$ 800 milhões para Argentina
Argentina

FMI aprova desembolso de US$ 800 milhões para Argentina

Newsletter