Crise Internacional

Pentágono teme aumento de vítimas civis ucranianas

EUA continua oferecendo assistência militar à Ucrânia

Casa BrancaCasa Branca - Foto: Karen Bleier/AFP

Os Estados Unidos temem um aumento no número de vítimas civis na Ucrânia, em um momento em que os militares russos parecem determinados a bombardear grandes cidades para forçar os ucranianos a se renderem, afirmou um funcionário do alto escalão do Pentágono nesta quarta-feira (2).

"Prevemos um maior uso de artilharia quando se aproximarem dos centros urbanos e tentarem cercá-los", disse o funcionário, que pediu anonimato, a repórteres.

"É típico de um cerco: quando você quer cercar um centro urbano e subjugá-lo, forçá-lo a se render, a artilharia se torna uma arma muito útil", explicou.

Mas, "o que nos preocupa é que, sendo mais agressivos, tornam-se menos precisos e menos seletivos" em seus ataques de artilharia, acrescentou.

Cerca de 82% da força militar da Rússia enviada há semanas às fronteiras do país está agora comprometida com a Ucrânia, disse o funcionário.

No entanto, não houve "nenhum movimento notável" das forças russas em direção a Kiev ou Kharkov nos últimos dois ou três dias, ainda segundo a fonte, observando que Kherson (sul), onde as forças russas reivindicaram nesta quarta-feira ter "controle total", permanece de fato uma cidade "altamente contestada".

Além disso, os soldados russos ainda não assumiram o controle do espaço aéreo ucraniano e continuam enfrentando problemas logísticos, incluindo falta de combustível e alimentos.

"Eles estão atrasados em relação ao planejado", continuou o funcionário do Pentágono. Mas "eles ainda têm uma enorme força de combate à sua disposição e vão superar suas dificuldades".

Os Estados Unidos continuam a fornecer assistência militar à Ucrânia, cuja última entrega foi feita há menos de 24 horas, observou.

Veja também

Sonda americana Odysseus pode ter pousado de lado
TECNOLOGIA

Sonda americana Odysseus pode ter pousado de lado

Após decisão da Justiça, mulher com doença degenerativa terá aparelhos que a mantêm viva desligados
PERU

Após decisão da Justiça, mulher com doença degenerativa terá aparelhos que a mantêm viva desligados