Pernambuco

Com relaxamento de medidas preventivas, pandemia pode voltar a ganhar a corpo em Pernambuco

Embora ainda não apresentem subida sustentada, números de infectados e ocupação de leitos estão aumentando

Comércio no RecifeComércio no Recife - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Na semana que países europeus tomam novas medidas de fechamento por conta de uma forte alta dos casos do novo coronavírus, Pernambuco começa a dar sinais que a pandemia pode voltar a ganhar a corpo. Um dos indicativos é a ocupação de leitos destinados a pacientes com Covid-19 no Estado. Em 18 de outubro, a taxa de ocupação de enfermarias era de 38%. Ontem, chegou a 48%. Já nas UTIs, havia doentes em 65% dos leitos, na quarta (21), e em 75%, ontem. Profissionais de saúde também afirmam que vem crescendo o número de atendimento a pessoas com sintomas da doença.

Embora ainda não apresentem uma subida sustentada, os números estão aumentando. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), análises epidemiológicas das últimas semanas revelam um suave aumento de 1,1% nas suspeitas de casos leves nos últimos 15 dias. Segundo o pesquisador e professor do Departamento de Estatística e Informática da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Jones Albuquerque, Pernambuco está entrando no nível de alto risco de infecção.

“As estatísticas nos dizem que o mundo está em ebulição e nós vamos começar a entrar também. Ainda não é possível afirmar quando exatamente, mas a estimativa é que entre duas e três semanas a gente sofra esse efeito galopante como está acontecendo na Europa”, alerta o pesquisador, que também é vice-coordenador do Instituto para Redução de Riscos e Desastres de Pernambuco (IRRD) da UFPE. Jones chama atenção para a taxa de contágio do coronavírus que atualmente está em 1,12 em Pernambuco. Isso revela que mais pessoas estão infectadas e o número de doentes subindo. O ideal seria que estivesse abaixo de 1.

O infectologista e chefe da Triagem de Doenças Infecciosas do Hospital Oswaldo Cruz (Huoc), Filipe Prohaska, afirma que tem notado aumento de pacientes com sintomas de Covid-19, mas não de casos graves. “No começo havia a orientação que só deveriam procurar uma unidade de saúde quando tivesse sintomas mais intensos. Isto tem sido a diferença quando comparamos com a situação de abril e maio”, comenta. Para o médico o fenômeno é reflexo da retomada das atividades econômicas e sociais. “Com essa reabertura é esperada a alta de casos. Era o que todos falavam no começo do ano de se tornar uma doença endêmica”, fala. 

Conforme o Painel Índice de Isolamento Social do Ministério Público de Pernambuco, anteontem a taxa no Estado era de 35,6%. O município de Terezinha, no Sertão, possuía o melhor índice, com 59,1%. No Recife, a taxa está em 36,1%. Ou seja, todos distantes do que autoridades de saúde consideram como ideal, que seria em torno de 70%. “Não diria que devemos começar a fechar tudo novamente neste momento, mas devemos cogitar esta possiblidade. Se tudo correr como aconteceu antes, daqui a duas ou três semanas Pernambuco sofrerá as consequências”, afirma Jones Albuquerque.

Distanciamento social e uso de máscaras ainda são as melhores armas contra a Covid-19, segundo o infectologista Filipe Prohaska. “Os protocolos são objetivos e claros sobre como se deve proceder com relação aos cuidados em cada local. Mas não adianta ter uma organização governamental e não ter os dois lados obedecendo, tanto estado quanto população”, fala.

Por meio da assessoria de imprensa, a SES afirmou que mantém as informações divulgadas pelo secretário estadual de Saúde André Longo. Ele afirmou que o aumento de quadros respiratórios leves na última semana pode ser impacto, inclusive, da falta de cuidados da população durante o feriado do dia 12 de outubro. “Durante o processo de convivência com a doença, flutuações podem acontecer, mas, até agora, essas oscilações estão dentro de um patamar esperado, sem configurar tendência clara de aumento, ou de recrudescimento, ou de uma segunda onda da Covid-19”, falou Longo em vídeo enviado à imprensa.

Veja também

ONU condena 'racismo estrutural' no Brasil após assassinato de João Alberto
Racismo

ONU condena 'racismo estrutural' no Brasil após assassinato de João Alberto

Cisam, na Encruzilhada, ganhará centro de parto normal
Maternidade

Cisam, na Encruzilhada, ganhará centro de parto normal