Meio Ambiente

Pernambuco é o único estado do Brasil a reduzir o desmatamento da Caatinga

O ano passou registrou uma queda de 35% em relação ao ano de 2022, de acordo com dados divulgados pelo Relatório Anual de Desmatamento 2023

Conservação da CaatingaConservação da Caatinga - Foto Tarciso Augusto

O Relatório Anual de Desmatamento 2023 (RAD 2023), produzido pelo MapBiomas Alerta e divulgado na última terça-feira (28), trouxe dados positivos sobre Pernambuco. De acordo com os números disponibilizados pelo sistema de validação de alertas de desmatamento de vegetação nativa, o Estado foi o único do Brasil a reduzir o desmatamento da Caatinga, com uma queda de 35%. 

Pernambuco saiu de um desmatamento de 21,5 mil hectares, em 2022, para 15,9 mil hectares na vegetação do semiárido pernambucano no ano passado.

 “Pernambuco não somente está evitando o desmatamento, como está ativamente promovendo o reflorestamento do bioma. Em abril, lançamos o Edital Caatinga destinando R$ 16 milhões para o plantio de 500 mil árvores de espécies nativas do bioma. Estamos dando atenção à regeneração deste bioma, tão importante para nosso ecossistema”, destacou a governadora Raquel Lyra.

Além de Pernambuco, a vegetação da Caatinga está presente em oito estados brasileiros: Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Sergipe e Minas Gerais. Desses, apenas Pernambuco apresentou uma redução do desmatamento deste bioma. 

A secretária de Meio Ambiente, Sustentabilidade e de Fernando de Noronha de Pernambuco, Ana Luiza Ferreira, considera que esse bom desempenho de Pernambuco no RAD 2023 é fruto do trabalho conjunto entre secretarias e da nova política pública ambiental do Estado, que valoriza o meio ambiente como vetor de desenvolvimento.

"Isso tem relação com uma nova gestão ambiental em Pernambuco. A forma da governadora [Raquel Lyra] atuar, em que existe um alinhamento e planejamento com a secretaria de meio ambiente e a Agência Estadual de Meio Ambiente CPRH. Temos uma articulação constante e um monitoramento que fazem toda a diferença. A CPRH tem uma agenda de fiscalizações que contribuiu para esse resultado tão positivo e de destaque frente aos outros estados que tem o bioma Caatinga", analisou a secretária. 

Ao analisar os dados gerais com a inclusão de outras vegetações nativas, o RAD 2023 mostra que, no Nordeste, apenas em Pernambuco e Piauí os índices de supressão geral aos biomas caíram. Com o bom resultado alcançado no último ano, a secretária Ana Luiza Ferreira ressaltou que o trabalho pela sustentabilidade no Estado deve continuar seguindo um alinhamento com o desenvolvimento econômico. 

"Ter uma nova política de atração de investimentos que valorize o meio ambiente que não tenha mais um atrito entre desenvolvimento e meio ambiente. Precisamos dar as mãos e é o que tem acontecido. Isso vai ser fundamental para a gente ter os resultados mantidos de forma estruturada no Estado", disse. 

Ainda de acordo com os dados do RAD 2023, também houve redução de 28,7% no desmatamento da Mata Atlântica em Pernambuco. Em 2022, havia tido supressão de 335,83 mil hectares de Mata Atlântica no estado, e em 2023, esse número foi de 239,37 mil hectares.

Veja também

CFM pede que Anvisa reveja proibição do uso de fenol para médicos
BRASIL

CFM pede que Anvisa reveja proibição do uso de fenol para médicos

Lei ambiental gaúcha agrava futuros desastres, dizem especialistas
RIO GRANDE DO SUL

Lei ambiental gaúcha agrava futuros desastres, dizem especialistas

Newsletter