COVID-19

Pernambuco inaugura 23 novos leitos de UTI para infectados

A expectativa é de que cerca de 30 leitos ainda sejam disponibilizados esta semana

Leitos do Hospital de Campanha da Covid-19 no RecifeLeitos do Hospital de Campanha da Covid-19 no Recife - Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR

Mais 23 leitos de UTI para pacientes com síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag), suspeitos ou confirmados para Covid-19, foram abertos em Pernambuco nas últimas horas.

No Hospital Agamenon Magalhães (HAM), localizado na Zona Norte do Recife, foram disponibilizadas mais 18 vagas, totalizando 43 de terapia intensiva no serviço. Já em Salgueiro, no Sertão Central, foram abertos 5 leitos no Hospital Regional Inácio de Sá, que duplica sua capacidade, chegando a 10. Com isso, o Estado totaliza 1.039 leitos de UTI.

Essas novas vagas somam-se às 22 de UTI abertas no último sábado (27), sendo 20 no Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa, na capital pernambucana, e 2 no Hospital Rui de Barros Correia, localizado em Arcoverde, no Sertão do Moxotó.

A expectativa é de que cerca de 30 leitos ainda sejam disponibilizados esta semana. 

"A partir dos dados epidemiológicos e das solicitações de leito das últimas semanas, estamos fazendo as ampliações necessárias na rede para garantir o atendimento a todos que precisarem. O Estado tem trabalhado para ofertar a assistência necessária e também nas ações de prevenção, mas precisamos contar com o apoio de todos para frear a aceleração da doença. Precisamos respeitar os protocolos e decretos sanitários, diminuir o contato social, reforçar as medidas de higiene e continuar usando máscara. Só assim poderemos evitar adoecimentos e, principalmente, mais óbitos", afirma o secretário estadual de Saúde, André Longo.
 



 

Veja também

Pernambuco recebeu, nesta sexta, remessa com 142 mil doses de vacinas contra Covid-19
COVID-19

Pernambuco recebeu, nesta sexta, remessa com 142 mil doses de vacinas contra Covid-19

Só 2% das instituições de ensino superior têm nota máxima em avaliação federal
Educação Superior

Só 2% das instituições de ensino superior têm nota máxima em avaliação federal