Pernambuco reduz número de casos de arboviroses

Secretaria Estadual de Saúde divulgou, nesta terça-feira (25), boletim referente ao período entre 1º de janeiro a 24 de abril

Aedes aegypti Aedes aegypti  - Foto: Rafael nedder meyer/Fotopress

Em comparação com o ano passado, Pernambuco apresentou redução no número de casos de arboviroses, vírus transmitidos essencialmente por animais como os mosquitos, segundo boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) nesta terça-feira (25). A dengue, por exemplo, apresentou uma queda de 96,3% nos casos suspeitos. Os dados correspondem ao período entre 1º de janeiro a 24 de abril.

Em 2017, foram notificados 3.690 casos de dengue em 136 municípios, dos quais 808 foram confirmados e 981, descartados. Em 2016, foram 100.130 casos suspeitos. Também caiu o número de ocorrências de Chikungunya. Em 2017, foram 1.233 notificações, em 89 localidades, sendo 277 confirmadas e 417 descartadas. Em 2016, foram notificados 48.900 casos da doença.

A SES não repassou o número de casos confirmados de Zika, mas este ano foram notificados 202, sendo 34 descartados, em 42 municípios. Em 2016, foram notificados 9.861 casos, uma redução de 98%. Dengue, Chikungunya e Zika são doenças transmitidas pelo mesmo mosquito, o Aedes aegypti. O número de mortes por arboviroses não foi confirmado, mas, dos 15 notificados, um foi descartado. No ano passado, foram 292 óbitos suspeitos.

LIRAa

A SES também anunciou o índice de infestação predial apontado pelo Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), realizado nos quatro primeiros meses deste ano. Oitenta e um municípios estão em situação de risco de surto, 72 em situação de alerta e 30 em situação satisfatória. Apenas Tracunhaém, na Zona da Mata, não informou a situação.

Veja também

Fiocruz esclarece negociação de doses prontas da vacina de Oxford
Coronavírus

Fiocruz esclarece negociação de doses prontas da vacina de Oxford

Presidente da União Química diz que estudos da Sputnik V devem começar logo após aval da Anvisa
Vacina

Presidente da União Química diz que estudos da Sputnik V devem começar logo após aval da Anvisa