Chuvas em Pernambuco

Pernambuco tem 36 cidades afetadas por chuvas e quase 10 mil pessoas fora de casa

Dessas 36, 25 já encaminharam decretos municipais de situação de emergência

Jaqueira, na Mata Sul, foi uma das cidades mais afetadasJaqueira, na Mata Sul, foi uma das cidades mais afetadas - Foto: Laercio Silva/Prefeitura de Jaqueira

O total de cidades afetadas pelas fortes chuvas na Zona da Mata Sul e no Agreste de Pernambuco desde a última sexta-feira (1º) subiu para 36, nesta terça-feira (5). A informação foi repassada pela Secretaria Executiva de Defesa Civil do Estado (Codecipe).

Ainda segundo a Codecipe, aumentou para 9.731 o número de pessoas que tiveram que deixar suas casas em razão dos temporais, sendo 1.413 pessoas desabrigadas e 8.318 desalojadas

As 36 cidades afetadas pelas chuvas são, de acordo com a Codecipe: Águas Belas, Água Preta, Altinho, Angelim, Barreiros, Belém de Maria, Bom Conselho, Brejão, Caetés, Calçado, Capoeiras, Canhotinho, Catende, Correntes, Cortês, Escada, Gameleira, Garanhuns, Iati, Itaíba, Jaqueira, Jucati, Jurema, Jupi, Lagoa do Ouro, Maraial, Palmares, Palmerina, Panelas, Paranatama, Quipapá, Rio Formoso, Saloá, São Benedito do Sul, Tamandaré, Terezinha.

Dessas 36, acrescenta a Defesa Civil estadual, 25 encaminharam os decretos municipais de situação de emergência: Água Preta, Angelim, Barreiros, Belém de Maria, Bom Conselho, Brejão, Caetés, Calçado, Canhotinho, Capoeiras, Catende, Correntes, Cortês, Iati, Itaíba, Jaqueira, Jucati, Jupi, Lagoa do Ouro, Maraial, Palmerina, Paranatama, Saloá, São Benedito do Sul e Terezinha.

Os bombeiros seguem em buscas de um homem que foi levado pelas enxurrada na cidade de Catende, onde se concentram os trabalhos de resgate por José Roberto da Silva, que caiu de uma ponte. Em Jaqueira, foi achado o corpo de Alex Fernando da Silva, de 20 anos, que sumiu após levar um choque e ser levado pela água, no sábado (2).

O monitoramento em tempo real da Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) indica que a cidade de Cortês, na Mata Sul, registrou o maior acumulado de chuvas nas 24 horas contadas até 8h de terça-feira. 

Na sequência, está Bonito, no Agreste, com 54,16 mm. Em seguida, aparecem Barra de Guabiraba, com 49,09 mm; Gameleira, com 48,76 mm; e Amaraji, com 45,52 mm.

Mais uma vez, as chuvas fortes foram causadas pela ação do fenômeno meteorológico chamado Distúrbio Ondulatório de Leste ou Ondas de Leste. O sistema foi dissipado e já não contribui mais para as fortes chuvas no Estado. 

Para esta terça-feira, a Apac espera um tempo parcialmente nublado a nublado com pancadas de chuva de forma isolada no período da noite com intensidade fraca a moderada na Mata Sul. No Agreste, a precipitação deve ser fraca e também duante a noite.

Já o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) considera moderada a possibilidade de alagamentos e inundações urbanas na Zona da Mata e Região Metropolitana do Recife, além de regiões do Rio Grande do Norte, de Alagoas e da Paraíba. 

"Nestas localidades do litoral nordestino, o cenário atual favorece a possibilidade de ocorrência de eventos com risco de inundações pontuais dos córregos canalizados em áreas urbanas, extravasamento dos canais de drenagem e alagamentos temporários de áreas rebaixadas", afirma comunicado do centro. 

As bacias dos rios Mundaú, Paraíba e Pirangi, em Alagoas e Pernambuco, encontram-se em recessão na cabeceira das bacias, porém ressalta-se que poderá haver possíveis ocorrências onde esteja ocorrendo a propagação da onda de cheia, segundo o Cemaden. Os acumulados ao longo da última semana e a previsão de chuva fraca a moderada poderão ser suficientes para deflagrar deslizamentos de terra pontuais na região.

A Codecipe pede que a população não ultrapasse as áreas inundadas e alagadas e sigam todas as recomendações da Defesa Civil de cada município, mantendo-se em alerta, sobretudo nas áreas ribeirinhas e de risco. 

A central permanece com atendimento 24h através dos telefones (81) 3181-2490 e 199.

Veja também

Julho registra temperatura média mais alta da história
Calor

Julho registra temperatura média mais alta da história

Bando de videntes atua há mais de 20 anos e tem histórico de investigações
Rio de Janeiro

Bando de videntes atua há mais de 20 anos e tem histórico de investigações