Casarão no Recife que abriga Associação dos Ex-Combatentes é tombado

Estrutura secular onde desde 1972 funciona a Associação dos Ex-Combatentes, foi construída entre 1915 e 1920 para abrigar a Escola Manoel Borba

Aos poucos, o espaço foi sendo esvaziado com o  falecimento dos militares, na mesma proporção em que a estrutura do casarão foi se deteriorando,  dando ares de abandono  a histórias tão importantesAos poucos, o espaço foi sendo esvaziado com o falecimento dos militares, na mesma proporção em que a estrutura do casarão foi se deteriorando, dando ares de abandono a histórias tão importantes - Foto: Rafael Furtado, da Folha de Pernambuco

“Lá atrás tem a maior roseira do mundo. Tem que ver, é a coisa mais linda.” Todo esse orgulho é de Etelvina Sabino Pereira, 66 anos, que há 18 anos trabalha voluntariamente no prédio secular de número 5 localizado na esquina da rua Barão de São Borja com a Gervásio Pires, no bairro da Boa Vista, Centro do Recife. Lá funciona, desde 1972, a Associação dos Ex-Combatentes do Brasil em Pernambuco que, aos poucos, viu o espaço sendo esvaziado com o falecimento dos militares na mesma proporção em que a estrutura do casarão foi se deteriorando, dando ares de abandono a histórias tão importantes. Na última sexta-feira (21), a obra arquitetônica, inicialmente construída para abrigar a Escola Manuel Borba, foi tombada pelo Governo de Pernambuco, o que ainda não garante seu resgate e preservação.

“Cabe a nós lembrarmos e torcer para que resolvam. A gente ainda vai passar aqui na frente e falar ‘olha como isso ficou lindo!’, não é, Paulo?” Paulo Jorge, de 65 anos, é o único que resiste nos salões ociosos do casarão ao lado de Etelvina. Aposentado, há oito anos ele passou a contribuir também voluntariamente com a manutenção do espaço. “Nas minhas orações, todo dia eu peço um destino bom para esse prédio. Eu faço de tudo um pouco, mas gosto mesmo é de cuidar das plantas”, disse, exibindo feliz a roseira que cresceu mais do que esperado. Etelvina explicou que o prédio pertence ao Estado, que cedeu o local para a Associação depois da desativação da escola, em 1972. “Isso aqui vivia cheio de gente. Eles vinham jogar dominó, conversar. Mas foram envelhecendo, morrendo, dependendo de familiares para vir aqui, até que restou isso. O dinheiro que entra, dos poucos associados que ainda temos, só paga a conta de água e energia.”
O arquiteto Pedro Valadares, por meio de incentivo financeiro do Funcultura, está fazendo um projeto de restauro da fachada e do telhado do prédio, construído entre 1915 e 1920 para abrigar a escola. “O projeto compreende o mais urgente, principalmente o teto, porque em qualquer edificação a estrutura é danificada, caso entre água de chuva. Futuramente, vamos tentar um novo edital para um projeto da área interna.”
O casarão, segundo Valadares, tem estilo arquitetônico eclético, com o movimento neomanuelino adotado como vertente estética. “Faz referência à arquitetura manuelina, que também é conhecido como o gótico português. Na época em que o gótico chegou a Portugal, o rei era Dom Manuel e essa característica arquitetônica recebeu o nome em homenagem a ele.” Os elementos decorativos remetem às conquistas colônias de Portugal. “Como se fossem cordas, navios, ornatos circulares em alusão aos lemes das embarcações, entre outros elementos.”

Leia também:
Desabamento na sacristia da Madre de Deus alerta para conservação dos patrimônios
Desabamentos em pauta no Conselho de Arquitetura e Urbanismo
No dia 20 de dezembro de 2016, o MPPE entrou com uma ação civil pública cobrando do Estado o restauro do casarão. “Tivemos um resultado favorável, onde ficou determinado pela Justiça que fosse feito o restauro imediato do local. O inquérito apontou como justificativa o interesse histórico na edificação”, afirmou o promotor de Meio Ambiente, Patrimônio Cultural e Habitação, Ricardo Coelho. Além do tombamento da última sexta-feira, o casarão é considerado um Imóvel Especial de Preservação (IEP), por estar localizado em uma região histórica. A Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), pasta do Governo de Pernambuco responsável pelo assunto, foi questionada, mas até o fechamento desta edição não respondeu.

 

Veja também

Pernambuco segue com campanha de vacinação contra Covid-19 com profissionais de saúde
Vacina em Pernambuco

Pernambuco segue com campanha de vacinação contra Covid-19 com profissionais de saúde

Parceria entre Sesi e Senai oferece 800 vagas para EJA Profissionalizante
Oportunidade

Parceria entre Sesi e Senai oferece 800 vagas para EJA Profissionalizante