CARTA DO ARCEBISPO DE OLINDA E RECIFE

Em resposta aos ataques, dom Paulo Jackson defende que a dimensão social da fé não seja esquecida

Sacerdote registra que o mais importante agora é "orar, jejuar e perdoar"

Arcebispo de Olinda e Recife, Dom Paulo JacksonArcebispo de Olinda e Recife, Dom Paulo Jackson - Foto: Walli Fontenelle/ Folha de Pernambuco

Dom Paulo Jackson*

No último dia 22 de fevereiro, eu presidi a Santa Missa no Santuário Nacional de Aparecida, em São Paulo. Era o encerramento do retiro anual dos presbíteros de nossa Arquidiocese. Na liturgia, celebrávamos a Festa da Cátedra de São Pedro. Fiz uma homilia sobre a pessoa e o papel de Pedro. Ao final, falei do Papa Francisco como sucessor de Pedro.

Falei também sobre a Tradição, com T maiúsculo, que é a força do Espírito Santo guiando ininterruptamente a Igreja. Disse que não podemos escolher o Papa que nos agrada. Além disso, a Tradição, ao nosso bel-prazer, não pode parar em Pio XII (1939-1958).

Há, infelizmente, grupos, sobretudo de leigos que agem na internet, que estão fazendo oposição ao Concílio Vaticano II, ao Papa Francisco, à Conferência Episcopal e a todas as iniciativas que primam pela dimensão caritativa do Evangelho. A Tradição viva passa pelo Concílio Vaticano II e chega aos nossos dias, ao Pontificado do Papa Francisco e ao cuidado da Igreja com a carne de Cristo, invisível em nossas calçadas.

Depois dessa homilia, na qual eu não toquei no tema “Campanha da Fraternidade”, fui alvo de um vídeo do Centro Dom Bosco, fazendo-me críticas, especialmente pelo “apoio à Campanha da Fraternidade”.

"O que vamos fazer em resposta a estas campanhas contrárias? Nada! Melhor, o mais importante: orar, jejuar e perdoar, para que a dimensão social da fé não seja esquecida por nós. Nunca."

Concomitantemente, em Recife, a Confraria Dom Vital lançou uma campanha de outdoors nos ônibus, posicionando-se contra a Campanha da Fraternidade e pedindo para que não se façam doações para a Campanha da Solidariedade. É com esses recursos que a Igreja mantém milhares de projetos junto aos pobres e deserdados pelo país afora.

O que vamos fazer em resposta a estas campanhas contrárias? Nada! Melhor, o mais importante: orar, jejuar e perdoar, para que a dimensão social da fé não seja esquecida por nós. Nunca. Cristo continua sofrendo e continua necessitando de nós. Tudo isso feito, não por causa de ideologias baratas, mas por causa do Evangelho e da Doutrina Social da Igreja.

*Dom Paulo Jackson Nóbrega de Sousa é arcebispo da Arquidiocese de Olinda e Recife

 

Veja também

Jovens realizam grafitagem em unidade da Compesa de Casa Amarela
CORES E CULTURA

Jovens realizam grafitagem em unidade da Compesa de Casa Amarela

Compesa troca fios de cobre por alumínio para combater furtos em unidades de abastecimento
manutenção

Compesa troca fios de cobre por alumínio para combater furtos em unidades de abastecimento

Newsletter