Empresário nega agressão à esposa, a influencer digital Sayma

Fernando Antônio Alex negou ter agredido a esposa; segundo ele, foi "um teatro" para atrair seguidores em redes sociais

[610] Fernando Antonio Alex e Sayma Duailibe[610] Fernando Antonio Alex e Sayma Duailibe - Foto: reprodução/Instagram

O empresário Fernando Antônio Alex, de 63 anos, negou a acusação de agressão da esposa, a influenciadora digital Sayma Duailibe, 25 anos. “Já tivemos divergências piores, em que ela jogou objetos em mim, e eu fiquei parado. Em momento algum houve agressão física da minha parte. Em nenhum momento eu toquei nela. Não encostei em um fio de cabelo dela”, afirmou.

Na última quarta-feira, Sayma Duailibe utilizou sua rede social para relatar que teria sofrido violência doméstica. No momento, o casal está em processo de separação. De acordo com Fernando, Sayma teria inventado a história para autopromoção nas redes sociais.

Leia também
Instagram bloqueará hashtags que promovam a anti-vacinação
Preso suspeito de transmitir HIV à esposa e impedir tratamento
Suspeito mora em condomínio, tem carro de R$ 120 mil e passou feriado em Angra


“Sayma está fazendo isso para se promover. Ela tem uma meta para alcançar 500 mil seguidores e ganhar dinheiro. Eu nunca a impedi de trabalhar, isso é uma inverdade, muito pelo contrário. Ela queria abrir uma loja e eu dei incentivo. Admirava a disposição dela para se formar em Arquitetura. Eu sempre apoiei Sayma em tudo, mas ela era obcecada em Instagram e talvez isso tenha influenciado ela a fazer esse teatro”, disse o empresário.

O empresário também destacou que não era um homem ciumento, e que a relação do casal era normal. “Ela nunca me deu motivos para ter ciúmes, jamais pensei na hipótese de ela ter me traído. Ela fazia coisas que comprovavam que me amava apesar da diferença de idade. Na semana passada fomos para Maria Farinha, andar de lancha. Tudo normal, sem nenhum problema”, conta.

Fernando afirmou que a influenciadora já teria rastreado o celular dele em vários momentos e alegou a que ela se revoltou por não aceitar devolver o presente que havia recebido, um carro importado.

O empresário disse que não recebeu nenhuma intimação da Justiça. “Não recebi nada da polícia, nem da justiça. Coloco-me a disposição para prestar minhas declarações, seja aonde for. Minha consciência está tranquila”, concluiu.

Veja também

Empresa de mobilidade doa corridas a profissionais de saúde para auxiliar na vacinação contra Covid
Transporte

Empresa de mobilidade doa corridas a profissionais de saúde para auxiliar na vacinação contra Covid

TCE decidiu instaurar uma auditoria para acompanhar problemas de superlotação dos ônibus
GRANDE RECIFE

TCE decidiu instaurar uma auditoria para acompanhar problemas de superlotação dos ônibus