Galeão propõe parceria com Recife

Ideia prevê a atração de turistas da América do Sul com voos que incluam paradas nos Aeroportos do Recife e do Rio de Janeiro

Pelos planos do grupo carioca, os visitantes poderão conhecer as duas cidades pagando por umaPelos planos do grupo carioca, os visitantes poderão conhecer as duas cidades pagando por uma - Foto: Léo Malafaia

Uma nova parceria turística e de geração de renda entre o Rio de Janeiro e o Recife será lançada este ano. O Aeroporto do Galeão, no Rio, está desenvolvendo um projeto com o objetivo de criar um stopover para os turistas que vierem de países da América do Sul para o Brasil. Ou seja, a ideia é que esses viajantes entrem no País e sigam para a capital pernambucana podendo fazer uma parada na cidade carioca na ida ou na volta. A iniciativa, criada pela administração do Aeroporto do Galeão, pretende atender a novas demandas.

O projeto está sendo estruturado para que o stopover seja de até dois dias. “Queremos posicionar um produto novo no mercado. E já estamos desenhando o projeto para a alta temporada, ou seja, ser inaugurado no fim deste ano”, antecipou o executivo do Rio Galeão, Bruno dos Reis, ao complementar que essa novidade será positiva para as duas cidades. “A gente vai atrair um novo cliente. Esse produto pretende fazer com que mais turistas da América do Sul possam vir ao Brasil em busca dessa novidade. Estaremos captando um novo visitante que se interesse em conhecer duas cidades em uma mesma viagem e com preços atrativos”, defendeu Reis, que ainda está estudando o custo dos bilhetes aéreos. Além do Recife, essa iniciativa também está sendo programada para acontecer entre o Galeão e o Rio Grande do Norte.

Leia também:
Ranking internacional coloca dois aeroportos do Brasil no top 10
Acreano é preso com cocaína presa ao corpo no Aeroporto do Recife
Outra amazonense é presa no Aeroporto do Recife com droga


Atualmente, o Recife é a cidade do Nordeste que apresenta o maior número de frequências para o Aeroporto do Galeão. Em julho, serão 60 frequências entre as duas cidades. Depois vem o Aeroporto de Salvador, com 48 frequências para o Rio. “Pernambuco tem menos ofertas de voo para turistas da América do Sul do que outros estados do Nordeste brasileiro, como Salvador e Fortaleza. Os voos diretos entre a Argentina e a capital pernambucana, por exemplo, estão sempre muito lotados. Então muitos turistas precisam naturalmente fazer conexão no Rio ou em São Paulo devido a essa alta demanda. Vamos captar esse turista também para permanecer mais tempo no Brasil”, disse Reis, ao complementar que os principais turistas são os argentinos e os chilenos.

Neste momento, a gestão do Rio Galeão está negociando com as operadoras da América do Sul para que o projeto entre em prática. A primeira etapa foi apresentar a inciativa aos representantes de setores importantes do turismo - como hospedagem e alimentação - em Pernambuco e no Rio Grande do Norte. “Pretendemos lançar já o pacote do stopover numa feira de turismo que acontece no mês de outubro na Argentina”, disse o executivo, ao defender que o projeto vai gerar renda para toda a cadeia produtiva do turismo.

Aeroporto do Recife
Na avaliação do executivo do Galeão, o terminal da capital pernambucana deve atrair bons investimentos da Aena, nova empresa que irá assumir a administração do aeroporto. “Acredito que a Aena vai investir no Estado porque já tem um terminal estruturado e com bom retorno financeiro. Mas é importante destacar que para crescer o aeroporto da cidade deve construir uma segunda pista de voo. Tem tudo para dobrar a capacidade de movimentação”, analisou Reis. Hoje, o Aeroporto do Galeão é o segundo maior destino internacional no Brasil, ficando atrás apenas do terminal de Guarulhos, em São Paulo.e

Veja também

Morre Victor Moreira, figurinista e cenógrafo da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém
Luto

Morre Victor Moreira, figurinista e cenógrafo da Paixão de Cristo

Recife começa a imunizar contra a Covid-19 idosos em Instituições de Longa Permanência
Vacinação

Recife começa a imunizar contra a Covid-19 idosos em Instituições de Longa Permanência